Governo do Estado inicia obras de requalificação do rio na região da Pitanguinha em Simões Filho


Há cerca de 1 ano, o município de Simões Filho, à 22 Km da capital baiana, foi alvo de uma grave denúncia relacionada ao descaso ambiental e degradação de um rio que teria recebido em 2008, investimento de R$ 19,6 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), na área de saneamento, através, do Ministério das Cidades para resolver o saneamento e desocupação às margens do rio da região da Pitanguinha.

001Naquele período, o grupo de ciclistas “Simões Filho Bike Clube”, realizou uma ação de cicloturismo e em vídeo divulgado nas redes sociais e em matéria produzida pelo site Mapele News, o Presidente da Bike Clube e morador da Pitanguinha, Márcio Souza, relatou o descaso ambiental e negativa degradação que ocorria em um dos mais importantes rios do território simõesfilhense.

O apelo foi ainda ampliado pelo radialista Jairo Mascarenhas, sobre  a questão da necessidade de atenção das autoridades, embora, o desrespeito ao meio ambiente seja um fenômeno que requer uma postura positiva e participação da sociedade. A denúncia com o descaso ambiental do rio da região da Pitanguinha, elencou mais ainda a insatisfação de ativistas sociais que alertam sobre a necessidade do cuidado para as nascentes dos rios do território simõesfilhense e que também limitam com cidades vizinhas.

Nesta semana, exatamente um ano após a denúncia repercutir em todo o estado, o governo da Bahia iniciou as obras de requalificação da área que envolve o rio e a comunidade do entorno. O projeto de requalificação da área inclui drenagem, intervenções de saneamento básico e desocupação às margens do rio da Pitanguinha.

cofre

A população simõesfilhense pode comemorar a retomada da responsabilidade do poder público estadual com o meio ambiente na cidade e a finalização do processo iniciado em 06 de agosto de 2008, quando foi divulgado o investimento na ordem de R$ 19,6 milhões do PAC, e que por 9 anos permaneceu fora do alcance da população.

Resultado de imagem para jairo mascarenhas

Na tarde desta sexta-feira (01) Jairo Mascarenhas voltou a falar da obras autorizadas pelo Governador Rui Costa e demonstrou satisfação em ter juntamente com a associação de moradores dos bairros de Pitanguinha, Cobocó e Lobão conseguido chamar a atenção das autoridades públicas com relação à grandeza da causa ambiental que envolve a nascente naquele local.

sem-titulo

“Eu fico feliz porque é uma luta nossa. Eles começaram já a drenar o rio, vão limpar tudo, colocar rede de esgoto, vai deslocar as casas das margens do rio e a revitalização será total. Essa é uma notícia ótima, uma notícia maravilhosa e eu fico feliz porque essa luta começou aqui na Simões Filho FM, com a família Simões Filho Bike Club e o apoio do Mapele News e hoje a gente vê aí os frutos daquela luta nossa chegando já amadurecidos”, disse Jairo.

As obras estão sendo executadas pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (CONDER). Uma empresa pública estadual do governo da Bahia que atualmente está vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (SEDUR). Sob sua gestão estão as áreas de mobilidade urbana, habitação, urbanismo e saneamento ambiental.

Através da execução de obras de forma direta ou através de convênios com as prefeituras municipais, a CONDER é responsável pela implantação e qualificação de equipamentos urbanos, tais como praças, mercados, feiras, aterros sanitários, entre outros. Apoiando desta forma o desenvolvimento do Estado ao impulsionar atividades importantes como o comércio, o turismo e a agricultura.

Os recursos utilizados nas intervenções são provenientes do tesouro estadual, de acordo com as metas estabelecidas no Plano Plurianual (PPA Participativo), de empréstimo do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e de emendas parlamentares ao OGU – Orçamento Geral da União, disponibilizadas pela Caixa Econômica Federal.

DenúnciaApós vídeo que mostra degradação de rio na região da Pitanguinhaem Simões Filhoradialista cobra investimento do PAC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *