VIOLÊNCIA PRATICADA PELO ESTADO


Hoje irei dissertar sobre um assunto que ultimamente vem sendo palco de várias discussões na sociedade organizada “Violência Praticada Pelo Estado”.
Primeiramente temos que entender que o “poder de polícia” é uma prerrogativa estatal para impor restrições em prol do bem-estar coletivo e não uma ferramenta para humilhar, maltratar e matar indiscriminadamente as pessoas.

Alguns dias atrás, tive uma conversa acalorada com uma mulher negra e ativista, que de forma enfática acusava os Policiais Militares da Bahia de racistas e assassinos, pois na sua visão matavam os jovens negros e periféricos em Simões Filho, sem nenhum remorso ou arrependimento, o que nos levou a um debate mais profundo sobre as reais causas do que a sociedade entende como “violência policial”.

Vários “especialistas” da área de Segurança Pública, publicam seus vastos estudos indicando o crescimento da violência e da impunidade policial, que em suas visões, matam cotidianamente e quase sempre, os mesmos alvos: pessoas negras, em sua maioria jovens.

Só para se ter uma ideia, no Brasil em 2022 foram registradas mais de 6000 intervenções policial com resultado morte, sendo que 83% das vítimas eram pessoas negras, mesmo tendo apenas 56% de negros na população brasileira.

No governo de Rui Costa em 2022 tivemos 1.468 mortes por intervenções policiais e já no governo de Jerônimo em 2023 tivemos 1.689, um aumento de 221 vítimas, o que levou a Bahia a ultrapassar o Estado do Rio de Janeiro em número de pessoas mortas por intervenções policiais, sendo nosso Estado responsável por 22,77% da letalidade no país.

Voltando ao debate acalorado, procurei mostrar para aquela mulher que ela estava falando de uma instituição centenária, constituída na sua maioria por homens e mulheres de pele negra, onde moram também na sua maioria em periferias.

Mostrei que os valorosos oficiais e praças da PM trabalham sob pressão 24 horas por dia, pois saem das suas residências deixando para trás pais, esposas e filhos, aflitos por saberem que eles terão que enfrentar um crime cada vez mais organizado e que possivelmente darão as suas vidas por uma sociedade que na maioria das vezes os discriminam.

Policiais que são obrigados a trabalhar um dia após o outro, mesmo tendo participado a poucas horas de uma intervenção policial com resultado morte, sem que passem por um acompanhamento psicológico para ao menos perguntar como se sentiam antes da intervenção, no momento da intervenção e depois da intervenção, causando o que chamo de “normalidade mórbida”, onde a mente passa a acreditar que a morte de um ser humano é normal.

Falei que a justiça julga com rigor os crimes praticados por policiais, principalmente quando há clamor público, desviando os olhos da população para os verdadeiros culpados pela ação estatal, sendo que até mesmo o Conselho Nacional do Ministério Público não se preocupa nem ao menos em adotar uma resolução para disciplinar as investigações sobre conduta policial, para assim garantir que os promotores liderem as investigações e não fiquem apenas se atendo aos inquéritos cheios de vícios que recebem das delegacias.

 

Infelizmente, a maioria dos “especialistas” falam em violência policial, colocando a população contra os heróis que os defendem na intenção de esconder os erros e omissões do Estado, que é o verdadeiro culpado por várias operações desastrosas, se apegando a uma frase muito ouvida pela sociedade ultimamente “vou cortar na própria carne”! Porque não dizem “vou assumir o erro”?
Pois o erro já começa na formação dos policiais, e digo isso porque já ajudei na formação de centenas de novos policiais.

 

São centros de formações com salas de aulas superlotadas e sem temperatura adequada, instrutores mal remunerados e alguns que pregam uma polícia do século XIX e que não conseguem acompanhar a sociedade moderna, são equipamentos velhos e quebrados, doutrinas e regulamentos ultrapassados e principalmente recebem os novos alunos de forma bruta sem ao menos procurarem saber através da formação de rodas de bate-papo, acompanhadas por psicólogos, quais os problemas que os alunos estão trazendo do mundo civil para dentro do centro de formação, quais as suas expectativas e suas habilidades.

Para mudar certos comportamentos, os cursos de formação deveriam contar com instrutores civis na maioria das matérias, deixando para a PM as aulas de policiamento ostensivo e de inteligência, pois assim, teríamos uma polícia mais humanizada e entrosada com a sociedade.

Assim como um câncer dificilmente é curado em um estado avançado, a violência praticada pelo Estado (violência policial) deve ser tratada na sua origem, na raiz de todo o mal, dando uma maior qualidade na formação dos novos policiais, pois assim, poderíamos mostrar para a sociedade que o policial não é apenas uma “máquina de controle social” usada pelo estado, mas uma das ferramentas que junta com as demais (Saúde, Educação, Cultura, Mobilidade, Esporte…) tornará a vida de cada cidadão muito mais feliz!

 

Autor: Sgt Santos

 

INTERVENÇÃO POLICIAL


Após várias denúncias sobre um grupo armado envolvido em recentes ataques na localidade de Vila Verde, nessa terça-feira (07/05/2024), aproximadamente às 13h40, na localidade conhecida como Barro Duro, que fica nas proximidades da Ceasa, ouve uma intervenção policial realizada pela 49ª CIPM, com apoio da Rondesp Atlântico, onde foi realizado o cerco policial em um local conhecido como “vagem” onde patrulhas foram recebidas a tiros, obrigando-as a se abrigarem e, em ato contínuo, responderem à injusta agressão.


Os indivíduos atiradores fugaram em várias direções e se depararam com outra patrulha, quando então ocorreu novo confronto. Após cessados os disparos, foram localizados dois indivíduos caídos ao solo, ainda de posse de armamentos, entorpecentes e coletes.
De imediato, foi prestado socorro aos feridos, até o Hospital Menandro de Farias. Onde, depois de atendidos, foram constatados os óbitos.

MATERIAL APREENDIDO

01) 01 (um) Fuzil Colt calibre 556, numeração: 19000959, com um carregador contendo 18 munições intactas;
02) 01(um) revólver calibre .38, marca Rossi, de numeração suprimida, com 4 munições deflagradas e 1 intacta;
03) 01 (uma) motocicleta CG Start 160, de PP RDB8E21;
04) 03 (três ) balanças de precisão;
05) 05 (cinco) placas anti-balísticas para coletes;
06) 95 (noventa e cinco) balas sintéticas verdes;
07) 95 (noventa e cinco) balas sintéticas amarelas;
08) 85 (oitenta e cinco) trouxas contendo substâncias aparentando ser maconha;
09) 01 (um) contendo substância aparentando de maconha;
10) 01 (um) saco contendo substância aparentando ser k9;
11) R$ 30,00 (trinta) reais em espécie;
12) 240 (duzentos e quarenta) eppendorfs contendo substância análoga ao K9;
13) 62 (sessenta e dois) eppendorfs contendo substância análoga ao Kush;
14) 210 (duzentos e dez) eppendorfs contendo substâncias aparentando ser cocaina;
15) 24 (vinte e quatro) recipientes de substância aparentando ser cocaina.
Toda a ocorrência foi Formalizada no DHPP

FONTE: PMBA, uma Força a serviço do cidadão!

OPERAÇÃO DATA VENIA


Operação Data Venia é deflagrada contra dois escritórios de Salvador investigados por uso de documentos falsos e apropriação indébita
O Ministério Público estadual deflagrou na manhã desta quarta-feira, dia 24, uma operação contra dois escritórios de advocacia e seus sócios que estão atuando em Salvador por meio de um esquema conhecido como advocacia predatória, que consiste no ajuizamento em massa de ações com pedido semelhantes em face de uma pessoa ou de um grupo específico.

Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão em Salvador, expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da capital, contra quatro advogados e seus respectivos escritórios, que atuavam de forma independente e autônoma. Também foi determinada a suspensão do exercício da atividade de advocacia dos investigados e a indisponibilidade de ativos na ordem de R$ 309.151,00 de dois escritórios de advocacia e de seus sócios. A operação apreendeu 10 mil dólares em espécie, documentos e celulares.

Intitulada ‘Data Venia’, a operação, deflagrada pelo Grupo de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco), resulta de procedimento investigatório criminal que apura a prática dos crimes de uso e falsificação de documento particular e apropriação indébita, previstos nos artigos 298, 304 e 168 do Código Penal Brasileiro.

Oito promotores de Justiça participaram da operação, com o apoio da Polícia Civil, por meio da Coordenação de Operações e Recursos Especiais (Core) e de seis advogados indicados pela OAB/BA.

Os mandados foram cumpridos nos bairros do Horto Florestal, Caminho das Árvores, Graça e Comércio, em endereços residenciais e comerciais.
De acordo com levantamento realizado pelo Centro de Inteligência da Justiça Estadual da Bahia (CIJEBA) do Tribunal de Justiça, foram ajuizadas milhares de ações judiciais, sobretudo perante as Varas do Juizado Especial de Defesa do Consumidor, em face de uma mesma instituição bancária, com uso de documentos adulterados.

Apenas um dos escritórios ajuizou, ao menos, 2.653 ações contra um único banco, entre os anos de 2020 e 2022, utilizando-se de falsificação e uso de documentos falsos.

Durante as investigações, apurou-se que diversas ações judiciais foram propostas sem o completo conhecimento das partes, ou em favor de parte autora já falecida, como se ainda estivesse viva.

GAECO/MP-BA CORE-PCBA

Jovem tenta retirar dinheiro em banco com a mão da mãe morta na Bahia


Suspeito teria dito à polícia que matou mãe por vingança, após ser alvo de um ‘ritual’ por parte da vítima

Uma mulher de 58 anos foi morta a facadas e teve a mão decepada pelo próprio filho, em Salvador, na Bahia. O jovem suspeito foi preso e teria confessado o crime, alegando vingança contra a vítima. As informações são da TV Aratu, afiliada do SBT.

O corpo de Sandra Maria dos Santos Carvalho foi encontrado com marcas de facadas na residência onde ela vivia, no bairro Boca da Mata de Valéria, no último sábado, 20. O filho da vítima, José Natan dos Santos Carvalho, foi preso em flagrante e teria confessado o crime.

De acordo com a emissora, ele afirmou que matou a mãe por vingança, pois ele teria sido alvo de um ‘ritual’ por parte de Sandra. Após matar a mãe a facadas, ele decepou uma das mãos para levar a uma agência bancária, acessar a conta dela e fazer saques.

Ele passou por audiência de custódia no domingo, 21, e teve a prisão em flagrante convertida para preventiva. O caso segue em investigação.

Em nota ao Terra, a Polícia Civil informou que o suspeito cometeu o crime na residência da vítima e fugiu, mas depois foi capturado. Ele declarou no depoimento que decepou a mão da mãe para realizar saques bancários utilizando a digital da vítima, no entanto, não encontrou o cartão do banco e desistiu. A mão da mulher foi encontrada ao lado do corpo.

FONTE: Terra

Após ser presa ao levar tio morto a banco, sobrinha entrega detalhes


Presa em flagrante, a sobrinha de um idoso entregou, nesta terça-feira (16), detalhes referentes ao caso onde foi detida após levar o tio a um banco. Na ocasião, ela tentava um empréstimo da conta do rapaz. Em depoimento, ela relatou que levou um morto em uma cadeira de rodas a um banco na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Reprodução/Redes Sociais

Segundo a suspeita, ela era sobrinha e cuidadora do homem. Identificada como Érika de Souza Vieira Nunes, a mulher foi levada à 34ª DP (Bangu) após o Samu constatar que Paulo Roberto Braga, de 68 anos, já estava morto há algumas horas.

“Ela tentou simular que ele fizesse a assinatura, mas os funcionários acharam que ele estava doente e chamaram o Samu. Ele já entrou morto no banco. Ela se diz cuidadora dele, e de qualquer forma ela vai responder pelos crimes. Vamos continuar a investigação com demais familiares e entender se na data do empréstimo ele estava vivo”, pontuou o delegado Fábio Luiz, conforme divulgado pelo portal g1.

Ainda na delegacia, ela destacou que sua rotina era cuidar do tio, que estava debilitado. O valor do empréstimo era de R$ 17 mil, que já tinha sido feito. Contudo, apenas uma assinatura para que o saque fosse feito era necessário. A priori, a polícia analisa se o crime foi furto mediante fraude ou estelionato.

 

‘Segura, tio’: Veja o que disse a mulher que levou morto em cadeira de rodas para pegar empréstimo

Após serem divulgados detalhes sobre o caso da mulher que levou um cadáver para tentar solicitar um empréstimo, as falas usadas por ela para ludibriar quem a atendia foram reveladas. Érika de Souza Vieira Nunes tentou fingir que o homem estava vivo.

 

  • “Tio, tá ouvindo? O senhor precisa assinar. Se o senhor não assinar, não tem como”
  • “Eu não posso assinar pelo senhor, o que eu posso fazer eu faço”
  • “O senhor segura a cadeira forte para caramba aí. Ele não segurou a porta ali agora?”
  • “Assina para não me dar mais dor de cabeça, eu não aguento mais”
  • “Tio, você tá sentindo alguma coisa? Ele não diz nada, ele é assim mesmo”
  • “Se você não ficar bem, eu vou te levar para o hospital. Quer ir para o UPA de novo?”

 

Após serem divulgados detalhes sobre o caso da mulher que levou um cadáver para tentar solicitar um empréstimo, as falas usadas por ela para ludibriar quem a atendia foram reveladas. Érika de Souza Vieira Nunes tentou fingir que o homem estava vivo.

 

FONTE:Bnews

Corpos de dois homens são encontrados dentro de carro em Sussuarana


Os corpos de dois homens, ainda não identificados, foram encontrados dentro de um carro no bairro de Sussuarana, em Salvador, neste domingo (14). De acordo com a Polícia Civil, a dupla foi morta a tiros e colocada dentro do veículo, localizado na Rua Rubéns Zardival.

Uma das vítimas foi encontrada com vida por agentes da 48ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM). Ela foi encaminhada para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas não resistiu aos ferimentos.

Divulgação/Ascom Polícia Civil

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também esteve no local e confirmou que o outro baleado já estava morto. A área foi isolada para o trabalho de perícia do Departamento de Polícia Técnica (DPT). A autoria e motivação do crime ainda são desconhecidas. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está investigando o caso.

FONTE:BNEWS

Homem que matou jovem com autismo é condenado a 14 anos de prisão


Um homem foi condenado pela Justiça a 14 anos de prisão, em regime fechado, por ter matado um jovem autista que tentava defender uma criança em meio a uma discussão. A decisão aconteceu na última quinta-feira (4), em Fortaleza, oito meses após o crime que ocorreu no bairro Passaré.

De acordo com o processo, no dia 3 de agosto de 2023, a vítima Bergson Mariano da Silva, de 26 anos, presenciou Peric Evandro da Silva, de 34 anos, discutindo com uma criança. Neste momento, Bergson ficou agitado, afirmou que chamaria a polícia, jogou uma pedra na direção do acusado e saiu.

Na sequência, a vítima encontrou Peric com uma arma de fogo. Irritado com a intervenção, o acusado passou a discutir com o jovem com autismo e atirou nele.

Segundo o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), os jurados acataram a tese da acusação e condenaram Peric por homicídio duplamente qualificado, considerando as duas qualificadoras: motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Sobre o crime de posse ilegal de arma, o homem foi condenado a um ano e dois meses de reclusão e 39 dias-multa. O pedido para recorrer em liberdade foi negado pela Justiça.

 

FONTE: BNEWS

Brutalidade! Homem é executado com diversos tiros em frente à universidade em Salvador


Um homem, que não teve a identidade revelada, foi assassinado a tiros, na tarde desta quinta-feira (4), próximo ao campus da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), no bairro do Cabula, em Salvador.

De acordo com a Polícia Civil, o corpo da vítima foi encontrado na Rua Silveira Martins. Informações preliminares apontam que o rapaz teria sido executado com mais de 20 disparos.

Testemunhas que estavam no local relataram que mais de quatro indivíduos armados teriam chegado em uma moto e participado do homicídio.

Equipes da Polícia Militar (PM-BA) foram acionadas e, ao chegarem no local, isolaram a cena do crime e chamaram o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para a remoção do corpo e realização da perícia.

A Polícia Civil seguirá investigando a autoria e a motivação para o ato criminoso.

FONTE:BNEWS

Justiça concede prisão domiciliar a acusada de envenenar mãe e duas filhas por interesse em marido da


Mulher e duas crianças morreram em intervalo de 15 dias, no ano de 2018, na cidade de Maragogipe. Segundo as investigações, mulher utilizou inseticida agrícola para cometer crime.

Justiça concede prisão domiciliar a acusada de envenenar mãe e duas filhas por interesse em marido da vítima na Bahia — Foto: Reprodução/TV Bahia

A Justiça concedeu liberdade provisória para Elisângela Almeida Oliveira, acusada de matar uma mulher e duas crianças em Maragogipe, no recôncavo da Bahia, em agosto de 2018. À Polícia Civil, ela contou que envenenou as vítimas após um desentendimento.

As vítimas, Adriane Ribeiro Santos, de 23 anos, e as filhas dela Greisse Santos da Conceição, de 5 anos, e Rute Santos da Conceição, de 2 anos, foram envenenadas com um inseticida de uso agrícola. As três morreram em um intervalo de 15 dias.

O único sobrevivente da casa foi o marido de Adriane e pai das crianças, identificado como Jeferson Brandão. Ele negou envolvimento nas mortes.

Segundo a decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a ré cumpre os requisitos para a prisão domiciliar. A Diretora do Conjunto Penal informou que Elisângela Almeida Oliveira sofre de problemas de bexiga, fazendo uso de sonda e já foi internada várias vezes.

De acordo com a decisão do TJ-BA, a defesa da investigada pediu a prisão domiciliar para viabilizar o tratamento com urologista, fisioterapeuta e psicólogo.

A decisão prevê ainda que Elisângela Almeida será mantida em prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica. A mulher também está proibida de sair de casa sem ser para atendimento médico-hospitalar. Para isso, ela terá que pedir autorização para Justiça com cinco dias de antecedência.

Envenenamento

Mãe e filhas morreram após mal-estar  — Foto: Reprodução/TV Bahia

👉 As investigações apontam que a acusada envenenou Adriane e as filhas dela, depois que se interessou por Jeferson, marido da vítima.

👉 Por causa desse interesse, houve um desentendimento entre as duas, e Elisângela resolveu envenenar Adriane.

👉 Não foi detalhado como Valci — marido da presa — participou efetivamente do crime, entretanto a Polícia Civil informou que ele, junto com Elisângela, estava coagindo testemunhas para que ninguém passasse informações à polícia, e destruindo provas que pudessem revelar o envolvimento de Elisângela nas mortes.

👉 As vítimas morreram entre o final de julho e o início de agosto de 2018, após apresentarem mal-estar com sintomas parecidos. O cachorro de estimação delas também morreu.

👉 A Polícia Civil investigou se um líquido e um chocolate poderiam ter provocado as mortes. O material foi encontrado na casa da família e passou por testes. Os laudos detectaram a presença do inseticida agrícola nas amostras.

👉 Após a investigação apontar a possibilidade de envenenamento, os corpos das duas primeiras vítimas, que tinham tido óbitos atestados como naturais, foram exumados.

Meninas morreram com intervalo de uma semana — Foto: Reprodução/TV Bahia
FONTE: G1

Homem que atirou em assassino do pai durante júri: o que aconteceu na sessão em São José do Belmonte


Crime registrado durante júri no Fórum de São José do Belmonte, no Sertão de Pernambuco, ocorreu em novembro de 2023, mas imagens só foram divulgadas nesta semana. Dois vídeos mostram suspeito atirando em réu durante a sessão.

Cristiano Alves Terto foi identificado como sendo o atirador em Fórum de São José do Belmonte — Foto: Reprodução

Duas câmeras de segurança flagraram o momento em que um homem tentou se vingar do suposto assassino do pai em São José do Belmonte, no Sertão de Pernambuco. O crime ocorreu em novembro de 2023, durante o julgamento do réu. As imagens foram divulgadas na última segunda-feira (1º).

Quem é quem na história?

 

Réu baleado: Francisco Cleidivaldo Mariano de Moura, suspeito de matar Francisco Alves Terto, pai do atirador. Cleidivaldo foi atingido por seis tiros, além de ter sido agredido com coronhadas enquanto tentava fugir. Na época, ele foi encaminhado para o Hospital de São José de Belmonte e, posteriormente, transferido para o Hospital de Serra Talhada, onde recebeu cuidados e foi liberado.