Planos são obrigados a cobrir testes rápidos de dengue e chikungunya


A partir deste sábado (2), os planos de saúde passam a ser obrigados a oferecer para seus beneficiários 21 novos procedimentos, entre eles o teste rápido para dengue e o exame de diagnóstico de chikungunya. As novidades constam do novo rol de cobertura obrigatória aos convênios médicos, atualizado a cada dois anos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Além dos 21 novos procedimentos, que incluem exames, cirurgias e próteses, as operadoras ficam obrigadas ainda a fornecer um novo medicamento para câncer de próstata e a aumentar sessões de fonoaudiologia, fisioterapia e psicoterapia para pacientes com alguns tipos de doença.

No caso do exame da dengue, os planos só eram obrigados a cobrir testes laboratoriais cujos resultados demoravam uma semana para sair. Agora, entrou para a lista de cobertura mínima os testes rápidos de sorologia para busca de anticorpos IgM e IgG – que servem para detectar o estágio de diversas doenças, entre elas, a dengue.

Também passa a ser coberto o exame do antígeno NS1 da dengue, que detecta a doença logo no estágio inicial dos sintomas – os exames de anticorpos só podem ser feitos a partir do sexto dia das manifestações da doença.

Governo dos EUA alerta turistas sobre risco de dengue no Brasil


O governo dos Estados Unidos fez uma série de recomendações de saúde para os americanos que pretendem vir ao Brasil nos próximos meses. Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, o Centro para Controle e Prevenção de Doenças atualizou a página de orientações sobre os destinos brasileiros para incluir o zika vírus.

O órgão informa que o único jeito dos viajantes evitarem o contágio com a doença é “prevenindo picadas de mosquitos”. A nota, que estende o alerta para toda a América do Sul, trata ainda sobre a relação do vírus com a microcefalia. “Por isso, mulheres grávidas devem tomar precauções extras” para evitar as picadas, diz o CDC.