Michel Temer eleva rentabilidade dos recursos do FGTS para o trabalhador


Presidente da República Michel Temer e o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, anunciaram nesta quinta-feira (10), no Palácio do Planalto, as novas regras para a distribuição do lucro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) a 88 milhões de trabalhadores. O índice de rentabilidade, que era de 5,11% ao ano, subiu 1,93 ponto percentual para 7,14% ao ano. Ou seja, superior à taxa de inflação.

Com as novas regras, os dividendos do FGTS de 2016 alcançaram R$ 7,28 bilhões, valores que serão creditados pela CAIXA na conta dos 88 milhões de trabalhadores até o dia 31 de agosto. Serão contempladas 245,7 milhões de contas, entre ativas (vinculada ao emprego atual) e inativa (de empregos anteriores), com posição até o dia 31 de dezembro do ano passado. Essa quantidade representa uma média de 3 contas por trabalhador. O montante a ser distribuído corresponde à metade do lucro líquido de R$ 14,55 bilhões do Fundo obtido no ano passado.

O presidente Temer afirmou que a medida deverá compensar a baixa remuneração das contas vinculadas ao FGTS, que perdem para a inflação desde 2006. “Pela nova metodologia, utilizada pela CAIXA, será um rendimento superior à taxa de inflação. Na última década, o Fundo de Garantia acumulou perdas expressivas frente à inflação e, agora, começa a reverter esse processo”, afirmou o presidente na cerimônia.

“Hoje, celebramos mais uma conquista dos trabalhadores brasileiros. Essa é a primeira vez que os lucros do Fundo de Garantia são divididos com os verdadeiros donos do dinheiro”, acrescentou Temer, destacando como positivos os saques das contas inativas do FGTS que superam R$ 44 bilhões.

Tradicionalmente, o saldo do Fundo é corrigido pela taxa referencial (TR) mais 3% ao ano, totalizando 5,11% ao ano. Agora, o índice de rentabilidade aumentará 1,93 ponto percentual, indo para 7,14% anuais. O cálculo foi feito com base em 50% do lucro líquido do exercício anterior (R$ 7,28 bilhões) dividido pelo saldo total das 245,7 milhões de contas vinculadas ao FGTS, cujo saldo totalizava R$ 375,6 bilhões na posição de 31 de dezembro do ano passado. O saldo médio dos depósitos é de R$ 29,62.

O presidente da CAIXA aproveitou ainda para falar sobre o resultado dos saques das contas inativas do FGTS. A medida beneficiou 25,9 milhões de trabalhadores com saques de R$ 44 bilhões entres os dias 10 de março e 31 de julho. O montante representou 88% da base total atualizada: R$ 49,8 bilhões. As informações são da Agência Caixa de Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *