Em sessão, Vereadores de Simões Filho bombardeiam prefeita Moema Gramacho com críticas e repúdios


A prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho (PT), voltou a ser bastante criticada pelos vereadores, de forma unânime, na manhã desta quarta-feira (8), durante sessão extraordinária realizada na Câmara Municipal da cidade. Tudo isso após a alcaide citar que “Simões Filho era um município violento” em um programa de vídeo nas redes sociais.

De acordo com os edis da base do prefeito Dinha, a postura da prefeita foi infeliz e sem ética. Ainda bastantes revoltados, os parlamentares não aceitaram a declaração feita pela petista, que mandou o repórter visitar Simões Filho e outros municípios para avaliar a violência nas cidades.

Para o vereador Bolly Bolly (SD), foi um tremendo absurdo a declaração feita pela gestora de Lauro de Freitas. “A prefeita tem que se preocupar com a cidade de Lauro de Freitas e deixar o dever daqui nas mãos do prefeito Dinha, que está fazendo a parte dele muito bem, e esta casa também tem um grande compromisso com Simões Filho. Isso é inadmissível, uma prefeita que não tem compromisso nenhum com a cidade, opinar ou dizer que Simões Filho era para ser divulgada como uma cidade violenta”, criticou o vereador que, ainda bastante consternado, mandou um recado. “Simões Filho não está nas margens que ela falou e ela foi muito infeliz na colocação dela”, disparou.

Reafirmando a declaração de ontem (7), em entrevista ao Site Mapele News, o vereador Eri Costa (DEM), ainda bastante revoltado, voltou a atacar a gestora com duras críticas, inclusive sugerindo que a mesma não pisasse na cidade, porque não seria bem-vinda.

“Eu acho que ela não deveria nem pisar os pés em Simões Filho, porque ela vem aqui com a hipocrisia dela dizendo que nosso município é isso ou aquilo, mas quando tem oportunidade quer esculhambar a nossa cidade. Aqui, é uma terra de boa gente e ela não é bem-vinda aqui na nossa cidade”, revidou o vereador. “Eu estou pensando em seriamente propor aos nossos colegas edis fazer uma moção de repúdio e enviar para o governo do Estado e para a Prefeitura de Lauro de Freitas”, completou. Eri ainda arrematou: “fale mal de mim, mas não fale mal de Simões Filho e tenho certeza que Moema, ela mesma, vai se retratar com essa casa”, pontuou.

Seguindo essa mesma linha, o presidente do Legislativo Municipal, vereador Orlando de Amadeu (PSDB), endossou as críticas e também demonstrou sua revolta com a prefeita.

“Falar da cidade de Simões Filho é falar de mim, dos vereadores, do prefeito e da cidade, porque, realmente, nós precisamos ser respeitados. Ela, como prefeita da base do governador, peça para o governador respeitar essa cidade e trazer os investimentos, não querer levar os investimentos para a cidade de Lauro de Freitas e, com isso, querer tirar as empresas que vêm para Simões Filho, dizendo que Simões Filho é uma cidade violenta”, disparou Orlando, que ainda completou: “é violenta porque tem reflexo de 2016 que o gestor, que é do grupo do governador, deixou na nossa cidade. Se ele tivesse feito o dever de casa, como o prefeito Dinha está fazendo, cuidando do povo, da saúde e da educação, a cidade hoje não estaria nesse índice que eles estão dizendo que a cidade está”, complementou.

Para cessar o bombardeio político, o vereador Del (SD), conhecido por alguns como “TROVÃO”, também não deixou de ‘soltar o raio’ na gestora e deu uma nota de repúdio contra a petista.

“É como se fosse uma nota de repúdio pela posição da fala infeliz da prefeita, de uma cidade importante, onde ela deveria trazer números e defender suas ações, defender o governo que ela defende, que é o PT, na qual ela tem parceria. Quais são as medidas que o governo está tomando? Não ficar falando que a cidade de Simões Filho é uma cidade violenta”, esbravejou.

Ainda bastante chateado, Del foi taxativo em dizer que “os dados não correspondem com o que foi dito, porque foram coletados de forma injusta”, e questionou que a pesquisa não levou em consideração que a “Área Industrial é um lugar de desova que não tem uma atenção do governo estadual”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *