César Diesel critica irmãos Alencar e declara que “é a favor da legalização das drogas classe 1 para tirar o dinheiro das mãos dos traficantes”


Durante entrevista na manhã desta segunda-feira, 4, ao programa Bahia no Ar, apresentado por Roque Santos, na Rádio Sucesso FM (93,1), o empresário e pré-candidato a prefeito de Simões Filho, César Pereira, popularmente conhecido como César Diesel (PT), disparou sem dó nem piedade severas críticas ao ex-prefeito da cidade e atualmente deputado estadual Eduardo Alencar (PSD).

Ao ser sabatinado pelo entrevistador, o empresário declarou que “todo gestor público quando é eleito pelo povo para governar uma cidade tem obrigação e responsabilidade de fazer o seu melhor, mas isso não quer dizer que, muitas vezes, ele vai chegar e aparar as necessidades por um todo”.

O pré-candidato a prefeito em 2020 pelo PT salientou que a saúde da cidade poderia ser melhor, pois segundo ele, “o ex-gestor Eduardo Alencar e seu irmão Otto nunca fizeram nada pela saúde do município” e deu exemplo da falta de políticas públicas no setor por parte de gestões passadas.

“Sabe porque eu não apoiaria nunca a base do ex-governo para a prefeitura de Simões Filho? Porque você tem um ex-prefeito que é médico, o irmão senador que já foi governador da Bahia em exercício, vice-governador, passou por várias pastas de secretarias, mas nunca tivemos um serviço de saúde de excelência na nossa cidade”, disparou Díesel que, na oportunidade, criticou a regulação do Estado.

“Quantas pessoas vem morrendo a míngua por conta dessa regulação? Nós não temos uma UTI no município porque nós não temos um jogo de leito nos hospitais”, revelou.

Na entrevista, César cita os últimos mandatos de prefeitos no município e diz que esse jogo político sempre foi a mesma coisa, que na visão dele, esse modus operandi na política está com os dias contados.

“Porque fica aquela dobradinha política. Em 92 ganha 1, em 96 o outro, ai, o outro volta em 2000, daqui a pouco, o outro volta em 2004 e 2008. Vou dar um exemplo: em 96, por unanimidade, Edson Almeida disputou em 92 com o hoje deputado Eduardo Alencar e perdeu a eleição. Em 96, o deputado chama ele [Edson] e apóia ele para ser prefeito de Simões Filho”, relembrou o petista, que desafiou: “Ai agora vou perguntar: quem vai me demitir? Se eu estou falando a verdade ou não! Ou melhor! Vamos perguntar a todos os funcionários de carreira. Em outubro, novembro e dezembro do décimo terceiro do funcionalismo público, o gestor que saiu não pagou. Ninguém sabe o que foi feito. Além de não pagar os fornecedores, Edson Almeida quando entrou teve que pagar a todo mundo”, recordou.

De forma surpreendente, César Diesel soltou uma revelação polêmica ao dizer que se tiver um debate público vai defender a questão da legalização das drogas tipo 1 para que o dinheiro arrecadado seja investido nas fronteiras.

“Quer ver um negócio que eu vou dizer aqui, que muita gente pode me criticar? E vou ser muito sincero e não tenho medo de fazer esse debate: ‘eu sou a favor da legalização das drogas classe 1 para pegar esse próprio dinheiro e tirar das mãos dos próprios traficantes’, pegar esse dinheiro e botar para os policiais tomarem conta para colocar em nossas fronteiras, tanto as fronteiras dos Estados, como a fronteira do país”, polemizou.

Ainda em meio às polêmicas, o político levantou a suposição de que existe um acordo entre os vereadores do município de Simões Filho para aprovar as contas do ex-prefeito Eduardo Alencar.

”Tenho certeza que essas contas já estão aprovadas. Na minha opinião, já foi feito o alinhamento”, opinou.

Em outro momento da entrevista, bastante consciente e maduro nas respostas, Cesar elogiou as obras que foram feitas pela gestão do atual prefeito Dinha, na localidade do CIA, ao citar a revitalização do Eco Park, no bairro do Tanque do Coronel, reconhecendo que o mandatário do Executivo está de parabéns, no entanto, ele criticou a condução da administração municipal ao apontar erros por parte do gestor em razão dos serviços considerados básicos.

“Eu não estou aqui só para fazer a crítica pela crítica, não, porque toda unanimidade é burra. Agora, Dinha está de parabéns nas coisas que ele acertou, mas é preciso que se corrija urgente a questão do transporte na cidade, mas não é só desse gestor, não, isso vem do passado também, um câncer que vem se alastrando há mais de 28 anos”, ponderou. O grande problema desse governo atual é não ter amparado os serviços essenciais. Eu acho que Dinha pecou muito”, disse.

Ouça o áudio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *