Surto de caxumba no Brasil é o maior em quase dez anos

O número de casos de caxumba registrados neste ano no Estado de São Paulo já é o maior desde 2008, segundo balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE da Secretaria Estadual da Saúde. Até o dia 16 de junho, quando foi divulgado o último levantamento, foram contabilizados 842 casos. Entre 2009 e 2015, o número … Leia Mais


Inflamação da picada do Aedes ajuda vírus a se multiplicar, diz estudo

As picadas de mosquitos não provocam apenas coceira, inchaço e irritação: elas também ajudam os vírus da zika e da dengue a se multiplicarem, de acordo com um novo estudo liderado por cientistas britânicos. Segundo os autores da pesquisa, a inflamação no local da picada pode ser um fator importante para explicar por que a … Leia Mais


Maioria esmagadora dos brasileiros prefere sexo a futebol, diz pesquisa

O título de “país do futebol” pode estar distante ultimamente, mas parece que os brasileiros estão encontrando conforto em outro prazer: no sexo. Numa pesquisa, dos mais de cinco mil entrevistados pela rede de relacionamento Sexlog.com, 95% afirmaram que o futebol não tem vez quando o assunto é transa. Tampouco o tesão é perdido se … Leia Mais


OMS diz que são necessários US$ 121,9 milhões para combater zika

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, nesta sexta-feira (17), uma atualização do plano estratégico de resposta à zika a ser posto em prática de julho de 2016 até dezembro de 2017. O plano requer um investimento de US$121,9 milhões de doadores. Para implementar a resposta à zika de janeiro a junho de 2016, a … Leia Mais


Ministério estuda ampliar a vacinação contra HPV no País

O Ministério da Saúde estuda a ampliação do público-alvo para a vacinação contra HPV, vírus responsável pelo câncer de colo de útero, segundo tipo mais comum de câncer entre mulheres. Hoje, meninas de 9 a 13 anos e mulheres com HIV até os 26 anos são vacinadas na rede pública. O grupo de trabalho, que … Leia Mais


OMS retira café da lista de possíveis causadores do câncer de bexiga


A Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou o café da lista de possíveis causadores do câncer de bexiga. O produto permaneceu nesta lista por 25 anos. O Departamento de Pesquisas sobre Câncer da organização deverá se pronunciar ainda nesta quarta-feira (15) sobre a revisão e deve também absolver o produto do risco de provocar outros cânceres, como o de pâncreas e de próstata.

Nos últimos anos, diversos estudos não encontraram relação direta entre câncer e o consumo de café, tendo encontrado, inclusive, alguns benefícios em relação a alguns tipos da doença. A reviravolta na OMS vem na esteira da revisão, pela Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC, na sigla em inglês), de mais de mil estudos que não indicavam o café como causador de câncer, conforme detalhes concedidos ao The Wall Street Journal. Pesquisadores da IARC concluíram que “não há qualquer evidência de risco cancerígeno oferecido pelo consumo de café”.

O cientistas constataram que diversos estudos mostravam que o consumo da bebida não oferecia efeitos cancerígenos no pâncreas, mamas e próstata, além de “observar a redução de riscos no câncer de fígado e endométrio uterino”. Na média, os norte-americanos consomem três copos de café por dia , movimentando US$ 74,2 bilhões no ano passado, conforme a Associação Nacional do Café dos EUA (NCA, na sigla em inglês). O produto é a bebida mais consumida no país, superando inclusive água de torneira, afirma a NCA.

Desde 2011, o consumo global tem crescido em média 2,5% ao ano. Mais de 150 milhões de sacas de 60 quilos foram consumidas globalmente em 2014, de acordo com dados da Organização Internacional do Café (ICO). A IARC, entretanto, passou a apontar o consumo de bebidas muito quentes como “provavelmente cancerígenas”.

A Agência não especificou o que pode ser considerado “muito quente” e determinou a classificação com base em “evidências limitadas” de estudos sobre o câncer de esôfago na Ásia e América do Sul, onde bebidas são consumidas numa temperatura média de 70 graus Celsius.

O Insituto Norte-Americano de Pesquisa do Câncer, por sua vez, lista o café como produto que combate o câncer, diante da variedade de fitoquímicos e compostos biologicamente ativos presentes na bebida. Um estudo realizado pelo Instituto Dana-Farber de Câncer, publicado no ano passado, apontou que o consumo regular de cafeína pode prevenir a reincidência do câncer de cólon após o tratamento e aumenta as chances de cura.


ONU aprova declaração com meta de acabar com a Aids até 2030


Com o objetivo de acabar com a Aids no mundo até 2030, ministros, funcionários governamentais e representantes de organizações internacionais da área de saúde reuniram-se hoje (8), na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York, e aprovaram uma declaração política sobre ações para enfrentar a doença.

O documento define um conjunto de metas específicas que devem ser atingidas até 2020 para acabar com a epidemia de Aids na década seguinte.

“As decisões tomadas aqui, incluindo o compromisso de zero nova infecção por HIV, zero morte relacionada à Aids e zero discriminação, irão proporcionar o ponto de partida para a implementação de uma agenda inovadora, baseada em evidências e socialmente justa que alcançará o fim da epidemia de AIDS até 2030”, disse o diretor executivo do Unaids, Michel Sidibé.

O fim da epidemia de Aids é uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, adotados pelos Estados integrantes da ONU no ano passado. Segundo  a diretora do Unaids no Brasil, Georgiana Braga-Orillard, todos os povos do mundo devem se unir para que a meta seja alcançada, principalmente os jovens.

“Vivemos hoje um momento histórico em que realmente o mundo pode vislumbrar o fim da epidemia”, disse Georgiana em declaração à Rádio ONU, ao comentar a aprovação do documento.

O presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, Mogens Lykketofr, disse que a reunião de hoje estabeleceu as bases para um “progresso futuro na criação de resultados mais saudáveis para todos os afetados pelo HIV e na construção de sociedades mais fortes e preparadas para desafios futuros” relacionados à Aids.

Saúde Pública

Ao comentar os desafios dos próximos cinco anos para o combate à Aids no mundo, Sidibé disse que “o mundo tem a oportunidade de acabar com uma epidemia que definiu a saúde pública de uma geração”.

O diretor da Unaids destacou avanços na resposta ao HIV desde a última reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre HIV e Aids, em 2011, e lembrou que, em dezembro de 2015, 17 milhões de pessoas tinham acesso a medicamentos antirretrovirais. No mesmo ano, os números de novas infecções pelo HIV entre crianças e de mortes relacionadas à Aids foram significativamente reduzidos. Também houve progresso na redução de mortes por tuberculose entre pessoas vivendo com HIV.

A reunião da ONU sobre HIV e Aids prossegue até sexta-feira (10) em Nova York, com ampla programação com especialistas e autoridades governamentais sobre o assunto. Com informações da Agência Brasil.


Bahia tem 252 casos confirmados de microcefalia


Foram confirmadas 252 pessoas com microcefalia na Bahia, três a mais do que divulgado pelo Ministério da Saúde no último boletim. No estado, 1.119 casos foram notificados, sendo 212 descartados e 655 ainda em investigação. Em todo o país foram confirmados 1.551 casos da doença e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita. No total, foram notificados 7.830 casos suspeitos desde outubro de 2015, destes 3.017 permanecem em investigação.

Outros 3.262 foram descartados por apresentarem microcefalia e ou má-formações confirmadas por causa não infecciosas ou por apresentarem exames normais. No mesmo período foram registrados 310 óbitos suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação no país.

Destes, 69 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 197 continuam em investigação e 44 foram descartados.

Do total de casos confirmados, 224 tiveram confirmação por critério laboratorial específico para o zika vírus. Os casos confirmados no país ocorreram em 556 municípios, em 25 unidades da federação e no Distrito Federal. Apenas o Estado do Acre não registrou confirmação da doença. (BN)


Estudo prova ser possível criação de vacina anticâncer


Cientistas da Alemanha e da Holanda descreveram uma nova estratégia de vacinação contra o câncer capaz de atacar os tumores, colocando em ação mecanismos do sistema imunológico que normalmente são acionados contra infecções virais.

O estudo, publicado na quarta-feira, 1º, na revista Nature, mostra que a vacina induziu o sistema imunológico a responder fortemente contra tumores em camundongos e em três pacientes humanos com melanoma avançado. Segundo os autores, a estratégia é um grande passo para o futuro desenvolvimento de uma vacina universal para tratamento imunoterápico de câncer.

A vacina tem por base nanopartículas de RNA tumoral, isto é, os cientistas injetaram nos pacientes moléculas de RNA do tumor criadas em laboratório e envoltas em uma membrana de gordura. Depois de entrar nas células, as nanopartículas liberam o RNA tumoral, que funciona como um antígeno, ou seja, disparam o mecanismo que defende o corpo humano de invasões virais, redirecionando-o para identificar e atacar as células tumorais. As nanopartículas carregam o RNA tumoral diretamente para os glóbulos brancos que protegem o corpo de micróbios invasores, acionando as células T, que induzem células tumorais à autodestruição.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Beber cerveja protege cérebro contra Mal de Alzheimer, revela estudo


Pesquisa da Finlândia mostrou que quem bebe tem menos chances de desenvolver a doença

Você é uma daquelas pessoas que não consegue passar um fim de semana sem tomar um copo de cerveja? Você sabia que a queridinha dos happy hours diminui o risco de infarto, de pedra nos rins e aumenta o colesterol bom?

Agora, pesquisadores da Finlândia descobriram que beber cerveja pode proteger o cérebro e diminuir também o acúmulo de proteínas que causam os sintomas do Alzheimer. O estudo analisou o cérebro de 125 homens que morreram em Helsinki, de 35 a 70 anos.

O benefício é exclusivo da cevada. Na pesquisa, pessoas que bebiam vinho ou destilados não apresentaram redução do acúmulo da proteína.

Beber cerveja protege cérebro contra Mal de Alzheimer, revela estudo
(Foto: Reprodução)

Estudo
De acordo com a revista Super Interessante, da editora Abril, os homens mais velhos tinham uma quantidade maior de placas das proteínas beta-amilóides – o que é normal, considerando que o Alzheimer se manifesta geralmente a partir dos 65 anos.

Essas placas envolvem os neurônios, impedindo a comunicação entre eles. No Alzheimer, esses neurônios presos se atrofiam e o paciente passa a apresentar distúrbios de memória, de comportamento e de personalidade.

Mas a pesquisa finlandesa revelou uma relação surpreendente: os homens que tinham o hábito de beber cerveja tinham uma concentração menor de placas beta-amilóides do que aqueles que não bebiam.

Ainda segundo a Super Interessante, Os cientistas ainda não entendem de que forma a cerveja se relaciona a um menor acúmulo de placas beta-amilóides. Mas sabem que todas as explicações para os sintomas do Alzheimer tem relação com o acúmulo dessas estruturas.

Apesar disso, o estudo também não encontrou relação entre a quantidade de bebida e a redução das chances da doença. Então… nada de sair enchendo a cara e usando o Alzheimer como desculpa.

Outra dica para reduzir as possibilidades da síndrome é beber uma xícara de café por dia. Em testes com ratos, a substância reduziu em até 50% a quantidade de beta-amilóides já acumuladas no cérebro dos animais.

correio24horas