Ministério estuda ampliar a vacinação contra HPV no País

O Ministério da Saúde estuda a ampliação do público-alvo para a vacinação contra HPV, vírus responsável pelo câncer de colo de útero, segundo tipo mais comum de câncer entre mulheres. Hoje, meninas de 9 a 13 anos e mulheres com HIV até os 26 anos são vacinadas na rede pública. O grupo de trabalho, que … Leia Mais


OMS retira café da lista de possíveis causadores do câncer de bexiga

A Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou o café da lista de possíveis causadores do câncer de bexiga. O produto permaneceu nesta lista por 25 anos. O Departamento de Pesquisas sobre Câncer da organização deverá se pronunciar ainda nesta quarta-feira (15) sobre a revisão e deve também absolver o produto do risco de provocar outros … Leia Mais


ONU aprova declaração com meta de acabar com a Aids até 2030

Com o objetivo de acabar com a Aids no mundo até 2030, ministros, funcionários governamentais e representantes de organizações internacionais da área de saúde reuniram-se hoje (8), na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York, e aprovaram uma declaração política sobre ações para enfrentar a doença. O documento define um conjunto de metas … Leia Mais


Bahia tem 252 casos confirmados de microcefalia

Foram confirmadas 252 pessoas com microcefalia na Bahia, três a mais do que divulgado pelo Ministério da Saúde no último boletim. No estado, 1.119 casos foram notificados, sendo 212 descartados e 655 ainda em investigação. Em todo o país foram confirmados 1.551 casos da doença e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita. … Leia Mais


Estudo prova ser possível criação de vacina anticâncer

Cientistas da Alemanha e da Holanda descreveram uma nova estratégia de vacinação contra o câncer capaz de atacar os tumores, colocando em ação mecanismos do sistema imunológico que normalmente são acionados contra infecções virais. O estudo, publicado na quarta-feira, 1º, na revista Nature, mostra que a vacina induziu o sistema imunológico a responder fortemente contra … Leia Mais


Beber cerveja protege cérebro contra Mal de Alzheimer, revela estudo


Pesquisa da Finlândia mostrou que quem bebe tem menos chances de desenvolver a doença

Você é uma daquelas pessoas que não consegue passar um fim de semana sem tomar um copo de cerveja? Você sabia que a queridinha dos happy hours diminui o risco de infarto, de pedra nos rins e aumenta o colesterol bom?

Agora, pesquisadores da Finlândia descobriram que beber cerveja pode proteger o cérebro e diminuir também o acúmulo de proteínas que causam os sintomas do Alzheimer. O estudo analisou o cérebro de 125 homens que morreram em Helsinki, de 35 a 70 anos.

O benefício é exclusivo da cevada. Na pesquisa, pessoas que bebiam vinho ou destilados não apresentaram redução do acúmulo da proteína.

Beber cerveja protege cérebro contra Mal de Alzheimer, revela estudo
(Foto: Reprodução)

Estudo
De acordo com a revista Super Interessante, da editora Abril, os homens mais velhos tinham uma quantidade maior de placas das proteínas beta-amilóides – o que é normal, considerando que o Alzheimer se manifesta geralmente a partir dos 65 anos.

Essas placas envolvem os neurônios, impedindo a comunicação entre eles. No Alzheimer, esses neurônios presos se atrofiam e o paciente passa a apresentar distúrbios de memória, de comportamento e de personalidade.

Mas a pesquisa finlandesa revelou uma relação surpreendente: os homens que tinham o hábito de beber cerveja tinham uma concentração menor de placas beta-amilóides do que aqueles que não bebiam.

Ainda segundo a Super Interessante, Os cientistas ainda não entendem de que forma a cerveja se relaciona a um menor acúmulo de placas beta-amilóides. Mas sabem que todas as explicações para os sintomas do Alzheimer tem relação com o acúmulo dessas estruturas.

Apesar disso, o estudo também não encontrou relação entre a quantidade de bebida e a redução das chances da doença. Então… nada de sair enchendo a cara e usando o Alzheimer como desculpa.

Outra dica para reduzir as possibilidades da síndrome é beber uma xícara de café por dia. Em testes com ratos, a substância reduziu em até 50% a quantidade de beta-amilóides já acumuladas no cérebro dos animais.

correio24horas


H1N1: número de mortes no Brasil chega a 679, diz ministério


Chega a 679 o número de mortes relacionadas ao vírus H1N1 no Brasil, neste ano, de acordo com o último Boletim Epidemiológico de Influenza do Ministério da Saúde,divulgado nesta terça-feira (31). Em apenas uma semana, foram 91 novos óbitos pela doença. Em todo o ano de 2015, foram 36 mortes por H1N1 no país.

Até o último dia 23 de maio, foram registrados 4.153 casos de influenza de todos os tipos no Brasil. Deste total, 3.518 foram por influenza A (H1N1) – 530 casos a mais, em comparação ao último boletim, divulgado há uma semana. São Paulo foi o estado onde foram registrados a maior parte dos casos de morte por gripe A, com 45,6% dos casos (310/679). Rondônia, Acre, Roraima, Tocantins, Piauí e Sergipe não tiveram mortes registradas.

Veja o número de mortes por estado:

São Paulo (310 mortes);
Rio Grande do Sul (70);
Goiás (39);
Paraná (42);
Rio de Janeiro (34);
Santa Catarina (28);
Bahia (18);
Espírito Santo (20);
Minas Gerais (20);
Pará (17);
Mato Grosso do Sul (19);
Pernambuco (12);
Distrito Federal (10);
Paraíba (9);
Ceará (8);
Rio Grande do Norte (6);
Mato Grosso (5);
Amapá (4);
Alagoas (5);
Maranhão (1);
Outro país (1);

A região Sudeste concentra o maior número de casos (1.842) de influenza A H1N1, sendo 1.050 no estado de São Paulo.

Confira a relação de casos por estado:

São Paulo (1.050 casos);
Rio Grande do Sul (456);
Paraná (381);
Goiás (231);
Pará (132);
Santa Catarina (117);
Rio de Janeiro (108);
Distrito Federal (96);
Mato Grosso do Sul (121);
Bahia (84);
Espírito Santo (77);
Minas Gerais (73);
Pernambuco (42);
Ceará (28);
Rio Grande do Norte (14);
Paraíba (18);
Alagoas (17);
Mato Grosso (8);
Amapá (6);
Rondônia (7);
Acre (2);
Sergipe (3);
Amazonas (2);
Roraima (1);
Maranhão (1);
Piauí (1).

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 45,7 milhões de pessoas já se vacinaram contra a gripe neste ano. O valor representa 91,7% do público-alvo, que é formado por 49,8 milhões de pessoas consideradas de maior risco para desenvolver complicações causadas pela doença.


OMS recomenda 2 meses de sexo seguro após visitas a regiões com zika


A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou às pessoas que visitarem regiões com transmissão do zika vírus que mantenham durante dois meses relações sexuais com métodos contraceptivos. A recomendação foi feita nesta terça-feira (31).

De acordo com as orientações, caso sejam observados durante esse período sintomas de infecção por zika, como febre, erupções cutâneas, conjuntivite e dores musculares leves, o período de proteção deve ser estendido para seis meses. Em caso de gravidez de pessoas que vivem ou passaram por áreas de risco, a OMS recomenda sexo seguro por toda a gestação.

A organização lamentou em um relatório divulgado na segunda-feira (30) a falta de dinheiro para combater o vírus. Apenas US$ 2 milhões dos US$ 17 milhões solicitados pela OMS para as ações de combate a epidemia no mundo foram doados pela comunidade internacional.

O chefe do painel independente de especialistas sobre zika da OMS, David Heymann, acredita que apesar dos riscos a data da Olimpíada do Rio de Janeiro deve ser mantida. Segundo ele, adiar o evento daria uma falsa sensação de segurança.

“Pessoas entram e saem do Brasil todo o tempo para férias, negócios, para tudo. E para a Olimpíada são menos viagens, seria uma viagem só. Acontece nos meses de inverno, quando, esperamos, a transmissão (do vírus) seja menor”, disse Heymann à agência de notícias Reuters.


Dia Nacional de Combate ao Glaucoma alerta sobre a doença silenciosa


Estima-se que no Brasil o glaucoma acomete cerca de 2% da população. Apesar de o número parecer reduzido, representa mais de 1 milhão de brasileiros portadores da doença. Uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo, o glaucoma é causado pelo aumento da pressão ocular, o que provoca lesões no nervo óptico e leva ao comprometimento visual.

Para chamar a atenção para o problema, em 26 de maio é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, que visa a prevenção e a disseminação de informações sobre a doença, considerada silenciosa e traiçoeira. Isso se deve a dois motivos, conforme explica o Dr. Garone Lopes Filho, especialista em glaucoma do H.Olhos – Hospital de Olhos Paulista.

“O primeiro é pelo fato de que a pressão ocular costuma aumentar progressivamente, sendo que na grande maioria dos casos, os pacientes não sentem dor, baixa de visão ou qualquer outro sintoma. Em segundo lugar, é porque, no início, o glaucoma acomete a visão periférica, ou seja, a pessoa não perde a visão exatamente onde fixa ou olha diretamente, mas sim, nas laterais do ponto de fixação, o que torna a percepção desta perda da visão difícil de ser notada. Por fim, o paciente enxerga como se estivesse olhando por um tubo fino, sem qualquer visão lateral ou periférica, até perder, gradativamente, a visão central, levando à cegueira total e definitiva”, comenta o oftalmologista.

Tipos de glaucoma

O glaucoma primário de ângulo aberto é o mais comum, representando de 80% a 85% dos casos, e trata-se da forma silenciosa da doença. Outra manifestação é o glaucoma primário de ângulo fechado, que costuma provocar dor ocular ou na cabeça, embaçamento visual e olho vermelho desde o início, pois a pressão intraocular costuma subir rapidamente a níveis muito elevados.

Já um tipo menos conhecido de glaucoma é o congênito, identificado desde recém-nascidos até os primeiros anos de vida. É uma forma mais agressiva da doença, causando aumento significativo no tamanho do globo ocular, lacrimejamento, sensibilidade à claridade e perda do brilho nos olhos acometidos. Nestes casos, o tratamento cirúrgico é geralmente necessário desde o começo.

Grupo de risco

Com exceção do glaucoma congênito, a doença acomete com mais frequência pessoas acima de 40 anos de idade, negros e diabéticos. Pacientes com ascendência asiática e usuários de medicamentos como cortisona também estão predispostos a certos tipos de glaucoma. O histórico familiar também é relevante. Cerca de 6% das pessoas que enfrentam o problema já tiveram um caso na família.

Tratamento e controle

Para o tratamento, estão indicados determinados colírios para baixar a pressão ocular e evitar a lesão no nervo óptico, que é o que causa a perda da visão. A escolha do colírio irá depender do tipo do glaucoma e comumente pode ser necessário o uso de mais de um medicamento para o adequado controle da pressão ocular. Dependendo do tipo da doença ou quando os colírios falham na regulagem da pressão, são possíveis outras formas de tratamento, como o uso de laser ou até mesmo cirurgia.

“Outro motivo que pode comprometer o correto controle do glaucoma é a crença de que apenas baixar a pressão para menos de 21 mmHg garanta o equilíbrio do problema. A doença é bem mais complexa que a questão do valor da pressão ocular, e algumas outras informações, como aspecto do nervo óptico são extremamente essenciais para se estabelecer uma pressão ocular adequada. Portanto, só uma avaliação individual, feita por um oftalmologista, poderá definir o tratamento eficaz para cada paciente. É importante ressaltar também que o aumento da pressão ocular não está relacionado com a pressão sanguínea”, finaliza o especialista

*Notícias ao Minuto

Casos confirmados de microcefalia chegam a 247 na Bahia, diz Ministério da Saúde


O números de casos de microcefalia em investigação na Bahia até 21 de maio foi de 646, segundo divulgou nesta terça-feira (24) o Ministério da Saúde. O número de casos confirmados é de 247 – quatro casos a mais do que no último boletim, no dia 18. A Bahia é o segundo estado do país com mais casos confirmados, atrás de Pernambuco.

Em todo pais, o número de casos confirmados de microcefalia chegou a 1.434, 50 a mais do que no último balanço. Ao todo, foram 7.623 notificações desde o início das investigações sobre a doença, em 22 de outubro. Destes, 2.932 foram descartados e outros 3.257 ainda estão sob investigação.

Dos casos confirmados de microcefalia, segundo a pasta, 208 tiveram teste positivo para o vírus da zika.