OMS declara zika vírus como emergência global de saúde pública

A Organização Mundial da Saúde (OMS anunciou que a explosiva disseminação do zika vírus nas Américas é um “evento extraordinário” que merece ser declarado como emergência internacional. A agência fez uma reunião de emergência com especialistas independentes nesta segunda-feira para avaliar a epidemia depois de notar uma ligação suspeita entre a chegada do zika vírus … Leia Mais




Dilma e Obama fecham parceria para criar vacina contra o Zika

A presidenta Dilma Rousseff e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, decidiram criar um grupo de alto nível para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus Zika. Os dois conversaram nesta sexta-feira (29), por telefone, e concordaram em unir esforços para produzir a vacina e produtos terapêuticos contra o vírus. O Zika está … Leia Mais


‘Se não nos mobilizarmos, vamos perder a luta’ para o Aedes, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (29) que, se o país não se mobilizar, vai “perder a guerra” contra o mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue a zika. Ela participou em Brasília de uma videoconferência com governadores de São Paulo, Pernambuco, Paraíba, Rio de Janeiro e Bahia para tratar de ações de combate … Leia Mais


Autoteste para detecção do HIV estará disponível nas farmácias este ano


O autoteste de detecção do vírus do HIV estará disponível nas farmácias do país ainda neste semestre. A informação é do diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Fábio Mesquita, que participou nessa quinta-feira (28) do lançamento da campanha de prevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids no Carnaval 2016.

“Ele tem o mesmo grau de confiança de qualquer outro teste. Será a oportunidade para uma parcela da população que tem vergonha de pedir o teste para o médico ou de ir a um posto de saúde fazer o teste”, disse, ao ressaltar que o teste é de triagem e a pessoa precisará confirmar o resultado com outro teste.

O exame pode ser feito com saliva ou sangue e já foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância e Saúde (Anvisa). Ele já é oferecido em vários países do mundo, como Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e África do Sul.

A meta da Organização das Nações Unidas é de que 90% das pessoas com HIV façam o teste até 2020. No Brasil, cerca de 83% das pessoas com o vírus já passaram pelo diagnóstico. “E essa medida certamente ajudará a alcançar os 7 pontos de gente que tem o HIV e que ainda precisa ser testada”, comentou Mesquita.

O preço do teste de farmácia ainda não está definido. Nos Estados Unidos, por exemplo, o valor varia entre US$ 40 e US$ 60. “Mas claro que no Brasil esse preço é inviável e as empresas terão que fazer um preço viável aqui”, disse o diretor.

A ampliação da testagem é uma das frentes da nova política de enfrentamento do HIV e aids. Entre janeiro e setembro de 2014, foram realizados 5,8 milhões de testes no país. No mesmo período do ano passado, foram 6,4 milhões – um crescimento de 10%.

As três metas de 90-90-90, pactuadas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), têm como objetivo testar 90% das pessoas vivendo com HIV e aids, tratar 90% delas e que 90% tenham carga viral indetectável até 2020 em todo o mundo.

“Estamos na direção correta das metas. Estamos ainda em 2016 e devemos 7 pontos percentuais na meta de teste, 20 pontos na meta de tratamento e já alcançamos a meta de supressão de carga viral, cinco ano antes do prazo”, comemorou o representante do ministério.

O percentual de brasileiros vivendo com HIV diagnosticados por exames passou de 80%, em 2012 para 83%, em 2014. Já a oferta de tratamento passou de 44%, em 2012, para 62%, em 2014, aumento de 41% no período.

Agência Brasil

Dilma diz que batalha contra Aedes não está perdida e defende ministro


Foto: Kevin Granja / Reuters

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (27), em Quito, no Equador, que a “batalha” contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue e as febres chikungunya e amarela, além do zika vírus, não está perdida. Dilma aproveitou para defender o trabalho do ministro da Saúde, Marcelo Castro, no combate ao mosquito.

Castro se tornou alvo de críticas em razão de declarações polêmicas concedidas à imprensa. O último episódio envolvendo o titular da Saúde gerou contrariedade no Palácio do Planalto, segundo informou o Blog do Camarotti, por conta da avaliação de Castro de que o país está perdendo a “guerra” contra o mosquito Aedes aegypti.

“A batalha não está perdida, não. Isso não é o que ele [Marcelo Castro] está pensando, nem o que ele disse. O que o ministro disse, é o seguinte: ‘se nós todos não nos unirmos, e se a população não participar, nós perderemos essa guerra’. Ele está absolutamente certo”, disse Dilma a jornalistas após discursar na cúpula de chefes de Estado e de governo da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribe (Celac).

Ao ser questionada sobre se está satisfeita com o ministo e sobre se ele está fazendo um “bom trabalho”, Dilma respondeu: “Bastante. Eu acho [que está indo bem].”

“Ele domina bastante bem o assunto, e acho que ele vai ter um papel importante na reunião do Mercosul”, disse Dilma ao se referir ao encontro que os ministros da Saúde dos países que fazem parte do Mercosul terão na próxima semana, no Uruguai.
No Equador, Dilma já havia prometido “extremo empenho” do Brasil por parte do governo e afirmou que o objetivo deve ser acabar com os criadouros do mosquito Aedes aegypti. (G1)


Zika vírus vai se proliferar por todos os países da América, alerta OMS


A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o zika vírus vai se proliferar por todos os países das Américas e cobra governos de todo o mundo para que sejam “transparentes” em relação ao número de casos. Para a entidade, a “explosiva proliferação” é “preocupante”.

Na manhã desta segunda-feira, 25, a diretora-geral da entidade, Margaret Chan, se pronunciou pela primeira vez sobre os casos nas Américas e fez questão de exigir que governos notifiquem a OMS de todos os casos registrados. A organização foi duramente afetada pela demora em lidar com o surto do Ebola, a partir de 2014. A OMS foi obrigada a passar por uma reforma e adotou uma postura de maior controle sobre surtos pelo mundo, justamente para evitar que possam se proliferar sem controle.

“Ebola mostrou que um surto num lugar pode chegar rapidamente ao outro lado do mundo”, disse Chan. “Estamos mais alertas. Não existem mais surtos locais”, insistiu. Investigações internas na entidade apontaram que governos e mesmo entidades internacionais abafaram por meses os casos de Ebola, na esperança de que o surto desaparecesse sozinho, sem afetar as economias locais.

A OMS também admitiu sua culpa ao fazer um alerta sobre o caso apenas quatro meses depois dos primeiros registros. Falando sobre o caso do zika vírus, a diretora apelou a todos os governos que sigam o regulamento internacional de saúde e que notifiquem cada um dos casos para a OMS.

“Pedimos transparência a todos os países”, alertou. “A proliferação explosiva do vírus a novas áreas geográficas, com populações com pouca imunidade, é outra causa de preocupação”, disse. O principal temor ocorre diante da possível ligação entre a infecção e a microcefalia, disse Chan.

“Essa relação não tem sido estabelecida. Mas os indícios são preocupantes”, apontou, alertando ainda que sintomas neurológicos também tem sido registrados.

Proliferação
Em um comunicado emitido, a entidade regional da OMS – a Organização Panamericana de Saúde – constatou que a proliferação do zika vírus vai continuar e que governos e sociedades precisam estar prontos para lidar com os casos.

Num total, 21 países das Américas já registram casos. Mas a previsão é de que todos os locais com a presença do mosquito Aedes “provavelmente” terão a doença. O mosquito está presente em todos os países do Hemisfério Ocidental, salvo no Chile e Canadá.

“A Opas antecipa que o Zika vírus vai continuar a se espalhar e provavelmente vai atingir todos os países e territórios onde os mosquitos sejam encontrados”, disse. Na quinta-feira, em Genebra, a OMS fará uma reunião especial sobre o tema, com todos os países implicados.

Transmissão
A OMS também confirmou que detectou um caso em que há uma “possível transmissão” do vírus por uma relação sexual. Mas novas evidências serão necessárias para determinar se esse caso é apenas isolado. No que se refere às grávidas, a entidade em Genebra pede que as mulheres sejam “cuidadosas” e que visitem seus médicos antes de viajar para regiões afetadas.

Mas não faz qualquer tipo de recomendação sobre adiar gravidezes nos países afetados. Jamaica, Colômbia, Equador e El Salvador anunciaram na semana passada que estavam sugerindo às mulheres que adiassem planos de ter filhos.

Para a Opas, porém, “qualquer decisão de adiar uma gravidez é individual, entre a mulher, seu parceiro e seu médico”. A melhor forma de proteção continua sendo a de combater os focos do mosquito e usar repelente, além de camas com redes e roupas de manga larga.

Estadão Conteúdo

Agentes encontram focos do Aedes em 222 mil casas de 19 estados


Equipes que combatem o Aedes aegypti encontraram focos do mosquito em 3% das 7,4 milhões de residências visitadas. Em mais de 222 mil casas elas eliminaram o vetor da dengue, da febre chikungunya e do vírus Zika. A meta do Ministério da Saúde é que o índice caia para menos de 1% até o final de fevereiro.

Desde o começo do ano, foram visitados 15,2% dos 49,2 milhões de domicílios urbanos do país, de acordo com balanço dos coordenadores da operação de combate ao Aedes aegypti e enfrentamento da microcefalia. Os números correspondem aos registros feitos em 2.548 municípios de 19 unidades da federação. Oito estados não enviaram informações para o sistema.

Segundo o secretário executivo substituto do Ministério da Saúde, Neilton Oliveira, a meta é visitar todos os municípios até o final de fevereiro. “O trabalho consiste em procurar [criadouros]. Se [a equipe] encontrar o foco, deve destruir e fazer o trabalho de vigilância com a família, com a vizinhança”, disse Oliveira.

O último balanço do Ministério da Saúde informa que foram feitas 3.893 notificações de casos suspeitos de microcefalia causada pelo vírus Zika. Até agora, foram confirmados 230. Com informações da Agência Brasil.


Dilma pede ajuda da população para combater o Zika


Zika vírus tem colocado país em alerta por causa de casos de microcefalia | Foto: Evaristo Sa

A presidenta Dilma Rousseff pediu hoje (21) ajuda da população no combate ao mosquito Aedes aegypti que transmite o vírus Zika. Ela fez o apelo durante a cerimônia de inauguração da pista leste da Via Mangue, no Recife, Pernambuco, estado com maior número de casos suspeitos de microcefalia causada pelo vírus.

Segundo Dilma, as pessoas devem se conscientizar de que não podem deixar água parada, porque é ali que o mosquito se prolifera. O mosquito Aedes aegypti é o mesmo vetor da dengue e da febre chikungunya. “A gente só vai conseguir o combate – e ser vitorioso – se a população se engajar. É a população que pode nos ajudar para que a gente tire, enquanto não temos a vacina, as condições de reprodução do mosquito”, disse.

“Temos de fazer um esforço com os grandes laboratórios brasileiros e internacionais para a gente ter uma vacina, não só contra a dengue, mas, também, contra o Zika. E nós temos de dar todo o apoio e atendimento às crianças com microcefalia e suas famílias”, acrescentou a presidenta.

De acordo com a Agência Brasil, com 3.893 notificações de casos suspeitos de microcefalia causada pelo Zika, o Ministério da Saúde confirmou 230 até agora. Boletim epidemiológico divulgado ontem (20) mostrou que as notificações foram registradas em 764 municípios de 21 unidades da federação.

Pernambuco, com 1.306 casos suspeitos, 33% do total, é o que tem o maior número de registros. Em seguida estão a Paraíba, com 665 casos; Bahia, com 496; e o Ceará, com 216. O Rio Grande do Norte tem 188 casos.