Pelo menos 12 grupos pesquisam vacina contra zika vírus, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta segunda-feira (8) que pelo menos 12 grupos pesquisam atualmente vacinas contra o vírus Zika – todas em estágio inicial de desenvolvimento. A disponibilização das doses devidamente registradas, de acordo com a entidade, pode levar ainda alguns anos. Segundo a OMS, estudos estão sendo realizados com base em … Leia Mais


EUA e Europa subestimaram poder do vírus e do ‘Aedes’

O zika vírus hoje sofre pela falta de pesquisa e de cientistas dedicados ao assunto por causa de uma decisão estratégica: na Europa e, principalmente, nos Estados Unidos: o vírus não foi incluído nos potenciais elementos que poderiam ser usados como armas terroristas nos últimos 15 anos, secando recursos para instituições que tinham projetos no … Leia Mais


Maior ilha do Havaí declara estado de emergência por causa da dengue

O prefeito do condado de Havaí, que compreende a maior ilha do arquipélago havaiano, declarou “estado de emergência” nesta segunda-feira (8) por causa da dengue. A ilha vive um surto da doença, que já infectou 250 pessoas. O estado de emergência anula por 60 dias uma lei que proíbe os moradores de atirarem pneus velhos … Leia Mais


Lei proíbe o aborto, diz ministro sobre recomendação da ONU

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse ao jornal O Estado de S.Paulo que não havia lido ainda a recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU), mas lembrou que “a lei (brasileira) proíbe aborto” para este caso de bebês com microcefalia. Nesta sexta-feira (05), a ONU recomendou a liberalização do aborto e dos contraceptivos nos … Leia Mais


OMS: Surto de zika vírus já atinge 33 países em três continentes

Apontado como o causador do surto de microcefalia no Brasil, o zika vírus já está circulando em pelo menos 33 países de três continentes, revela boletim epidemiológico divulgado na tarde desta sexta-feira, 5, pela Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o documento, além dos 26 países e territórios das Américas afetados pela doença, … Leia Mais


Paciente é diagnosticado ao mesmo tempo com zika, dengue e chikungunya no 1º caso de infecção simultânea


Um paciente foi diagnosticado com dengue, chikungunya e zika em uma infecção simultânea. Este é o primeiro caso em quem uma pessoa é diganosticada com os três tipos de vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti.

Segundo grupo de infectologistas colombianos, o homem de 49 anos viajou por diversas regiões do país. Os pesquisadores acreditam que ele ficou exposto aos diferentes tipos de vírus enquanto viajava. Depois de ser submetidos a exames de anticorpos para detectar qual dos três vírus o paciente estava infectado, a equipe médica se surpreendeu quando todos deram positivos.

O paciente procurou o hospital no município de Sincelejo, no norte do país. Em um artigo publicado no início deste mês no “Journal of Infection and Public Health”, Wilmer Villamil-Gómez, da Universidade de Cartagena, diz que mesmo sendo um caso preocupante, o homem foi medicado e passa bem.


Governo distribuirá 5 milhões de camisinhas no carnaval


Durante os dias de folia do carnaval, 5 milhões de camisinhas serão distribuídas em festas de rua em Salvador (BA), no Recife (PE), em Olinda (PE), no Rio de Janeiro (RJ), em São Paulo (SP) e em Ouro Preto (MG), que recebem milhares de foliões. Os preservativos serão distribuídos em 17 cidades de oito estados e no Distrito Federal, pelo Ministério da Saúde.

Além dos preservativos masculinos e femininos, os foliões vão receber também sachês de gel lubrificante. Em vários locais, o personagem da campanha de carnaval deste ano do ministério, o Homem Camisinha, é quem fará a distribuição. Aeroportos, como os do Rio de Janeiro e de Salvador, e bares também terão dispositivos com preservativos disponíveis.

Com o slogan “Deixe a camisinha entrar na festa”, o diferencial da campanha deste ano é que, a partir da Quarta-feira de Cinzas, serão entregues folhetos nos postos de saúde e afixados outdoors sobre a profilaxia pós-exposição, que evita a proliferação do vírus HIV caso a pessoa, que fez sexo desprotegido por exemplo, tome os medicamentos em até 72 horas após a exposição ao vírus. O objetivo da campanha é reforçar a importância do preservativo para evitar a contaminação, por via sexual, do vírus HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis.


Brasil analisará uso de radiação contra Aedes Aegypti


Na esperança de reduzir de forma substancial o vetor do zika vírus até os Jogos Olímpicos, o Brasil vai avaliar o uso de radiação nuclear para combater o mosquito Aedes aegypti. Um encontro será feito entre o Ministério da Saúde e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) nos dias 17 e 18, em Brasília, com a meta de avaliar a implementação de um amplo projeto que esteriliza o mosquito.

Já no dia 22, também em Brasília, especialistas de todo o mundo vão se reunir para examinar a viabilidade do projeto. Na segunda-feira, 1º, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou o surto de casos de microcefalia e outros distúrbios neurológicos em regiões com registro de zika vírus como uma emergência internacional. Uma das conclusões de especialistas é de que, com a vacina não podendo ser produzida antes de 2018, a meta hoje é um “combate agressivo ao vetor”.

E o mundo vem perdendo a batalha contra o Aedes. Tanto na OMS como no Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), a percepção é de que os instrumentos de desinfecção são pouco eficientes e apenas contar com uma mobilização social não está dando resultados.

A nova estratégia, proposta pela AIEA, é a de reverter a expansão da população de mosquitos. O plano consiste em expor mosquitos machos à radiação nuclear, tornando-os inférteis. Uma vez de volta no meio ambiente, esses mosquitos não conseguiriam se reproduzir e a população geral teria queda.

A SIT (sigla em inglês para Sterile Insect Technology) já existe e consiste em colocar os vetores em contato com raios X ou Gama. A vantagem do sistema é de que milhares de mosquitos seriam controlados, sem o uso de produtos tóxicos. Mas o grande obstáculo é o volume de insetos que teriam de ser inicialmente esterilizados. Para que isso funcione, os espécimes modificados teriam de ser superiores ao número de mosquitos machos em uma população autóctone em uma proporção de 10 a 20 vezes.

Na prática, milhões de mosquitos teriam de ser expostos à radiação. A própria AIEA estima que o plano teria maiores chances de funcionar em pequenas cidades e não em metrópoles como o Rio.

Ainda assim, os técnicos são otimistas. “Se o Brasil soltar um enorme número de mosquitos machos nessas condições, levaria poucos meses para reduzir a população. Mas isso teria de ser combinado com outros métodos”, disse o vice-diretor da AIEA, Aldo Malavasi.

Outros países

Além do Brasil, países latino-americanos como Guatemala, El Salvador e México já estão em negociações, além da Indonésia.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Forças Armadas visitam Salvador e cidades do interior em campanha de combate ao aedes


Os municípios de Ilhéus, Porto Seguro, Juazeiro, Bom Jesus da Lapa e Salvador devem receber 1.807 militares da Marinha do Brasil na Bahia para a segunda etapa da campanha nacional que envolve as Forças Armadas no combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue, febre chikungunya e zika vírus.

A nova etapa acontece no próximo dia 13 de fevereiro. Segundo a Marinha, na ação, que é coordenada com o Ministério da Saúde e autoridades locais, os militares distribuirão material impresso com orientações para a população sobre como combater o mosquito.

Na capital baiana, o efetivo atuará em bairros como Comércio, Subúrbio Ferroviário, Nazaré, Barbalho e Liberdade. A terceira etapa deve acontecer entre os dias 15 e 18 de fevereiro. Nela, militares visitarão casas para verificar possíveis focos de proliferação do mosquito e orientar moradores em como evitar a reprodução do principal vetor da tríplice epidemia. (BN)


Em cinco dias, casos de microcefalia sobem de 533 para 618 na Bahia


O número de casos notificados de microcefalia na Bahia subiu de 533 para 618, de acordo com boletim divulgado nesta terça-feira (2) pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Os dados vão de outubro de 2015 até o dia 30 de janeiro.

É considerado microcefalia o nascimento de bebês com perímetro cefálico menor ou igual a 32 centímetros. Na Bahia, 106 municípios registram casos suspeitos. Salvador tem o maior número de incidência (324), correspondendo a 52,4% do total de casos.

O maior número de mortes relacionadas à doença também é na capital baiana, onde três crianças já morreram. Dentre os 618 casos, foram notificados dez óbitos nos municípios de Camaçari (1), Itabuna (1), Olindina (1), Salvador (3), São Sebastião do passe (1), Tanhaçu (1), Itapetinga (1) e Campo Formoso (1).

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) fará aquisição de 200 mil testes rápidos para que seja possível identificar os casos de dengue e chikungunya e, por exclusão e exames clínicos, diagnosticar a zika, visto que até o momento não há teste em escala comercial.