Mulher chama a polícia após ter quarto invadido por gambá

Uma americana da Flórida ligou para o telefone de emergência da polícia após seu quarto ter sido invadido por um gambá. A polícia do condado de Palm Beach disse que a moradora Dagne “Dee” Kuiper,de 53 anos, moradora de Lantana, ligou para o telefone 911 no sábado (14) para pedir ajuda. Dagne disse que o … Leia Mais


Presidente de Uganda proíbe sexo oral no país; “A boca é para comer, não é para fazer sexo”


O Presidente de Uganda, Yoweri Museveni, conhecido por criminalizar a homossexualidade, criando leis anti-LGBT, mais uma vez chamou a atenção com suas filosofias proibindo a prática do sexo oral no país.


De acordo com o Correio da Manhã, Meseveni culpa os estrangeiros pela banalização da prática e revelou que está preparando uma campanha, com cartazes e anúncios de televisão, contra o sexo oral.

“A boca é para comer, não é para fazer sexo. Nós sabemos qual é a ‘morada’ do sexo, sabemos onde é que deve ir”, defendeu o presidente em discurso público nesta semana.

Em 2014, ano em que introduziu a lei anti-homossexual, Meseveni defendeu publicamente que a prática de sexo oral causava lombrigas e outros parasitas. Yoweri Museveni está à frente do país há mais de 30 anos.


Mulher grávida enterrada durante a Idade Média “deu à luz” dentro do túmulo


Uma descoberta macabra na Itália trouxe à tona um raro fenômeno ocorrido na Idade Média. Um grupo de arqueólogos que trabalhava em túmulos em Ímola descobriu os restos mortais de um adulto juntamente com os de um bebê entre as suas pernas.

Análise mais detalhada mostrou que o corpo era de uma mulher e que os arqueólogos estavam presenciando um “nascimento em túmulo”, ou seja, o bebê foi expelido do útero depois que a mãe foi enterrada.

Ainda permanece um mistério a forma como a mulher, que tinha entre 25 e 35 anos, morreu, mas marcas no crânio sugerem que ela tenha passado por algum tipo de cirurgia uma semana antes do óbito. No funeral da mulher, o bebê já estaria morto.

Um relato do caso foi publicado na revista médica “World Neurosurgery”. Suspeita-se que a mulher, que estava grávida de 38 semanas, tenha sofrido pré-eclâmpsia ou alguma doença relacionada à hipertensão.

Os estudiosos ainda acreditam que o método cirúrgico aplicado na mulher foi a trepanação (técnica cirúrgica que consiste em perfurar um orifício em um osso) e que esse é o único caso já visto de uma grávida associada ao fenômeno de extrusão fetal pós-morte.

 


Vereadora do PSOL e militante política, Marielle Franco é morta a tiros no Rio de Janeiro


A vereadora do PSOL, Marielle Franco, foi morta a tiros na noite desta quarta-feira (14), em plena praça pública no bairro do Estácio, na Região Central do Rio de Janeiro. A Delegacia de Homicídios trabalha com a hipótese de execução.

De acordo com o G1, Marielle foi baleada dentro do carro, na Rua Joaquim Palhares, de acordo com os policiais do 4° BPM (São Cristóvão). Além da vereadora, o motorista do carro, Anderson Pedro Gomes, também morreu baleado. Outra passageira, assessora de Marielle, foi atingida por estilhaços e sobreviveu.

A vereadora era aliada do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que ficou em segundo lugar na eleição para prefeito do Rio. O deputado disse que todas as características apontam para execução e diz que vai cobrar providências.

Ainda segundo Freixo, nem o partido e nem a família de Marielle sabiam de ameaças contra a vereadora. Para o deputado, a morte de Marielle “é um crime contra a democracia, um crime contra todos nós.”

Marielle, que era militante das causas feministas e sociais voltava do evento “Jovens Negras Movendo as Estruturas” quando foi abordada pelos criminosos e executada. A morte dela pode estar relacionada a sua militância política. Marielle presidia a Comissão da Mulher e, no último mês, foi nomeada relatora da comissão que vai acompanhar a intervenção das Forças Armadas no Rio, com o objetivo que coibir abusos do Exército.

Nas eleições de 2016, Marielle foi a quinta vereadora mais votada do Rio, com 46.502 votos. No sábado (10), a vereadora fez uma publicação no Facebook denunciado policiais do 41º Batalhão da PM do Rio, que estariam aterrorizando e violentando moradores da Favela de Acari, localizada na Zona Norte.

Ela é formada em sociologia pela PUC-Rio e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Já exerceu funções em organizações da sociedade civil como a Brasil Foundation e o Centro de Ações Solidárias da Maré (Ceasm).

 


Vídeo: Gigante portal de fogo misterioso se abre no céu do Equador


Um vídeo, recentemente publicado no aplicativo YouTube e que viralizou na internet, mostra uma enorme bola ardente de fogo flutuando estranhamente no céu do Equador.

Um fenômeno natural inexplicável foi flagrado no céu do Equador e depois transmitido na Internet. No respectivo vídeo, um “portal” em chamas se “abre” acima das árvores.

A gravação inicial foi visualizada mais de 34.000 vezes. Uma testemunha que supostamente teve a chance de evidenciar o mistério comentou esse fenômeno: “Algo sobe a partir do horizonte. Eu nunca vi nada parecido!”

De acordo com as teorias dos internautas, o mistério poderia estar relacionado ao planeta Nibiru, que se associa com o apocalipse, ou de um portal que leva ao inferno. No entanto, que até agora nenhum cientista comentou o fenômeno em questão.

Confira o vídeo:


Ministério Público do Estado de São Paulo e Microsoft se unem no combate ao crime cibernético


O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) e a Microsoft Brasil anunciam parceria para o combate ao cibercrime. O acordo de cooperação estabelece iniciativas conjuntas voltadas ao enfrentamento de crimes cibernéticos e, inicialmente, focam na capacitação de promotores, cooperação entre as organizações e educação da população. A assinatura do acordo foi realizada hoje (27), na sede do MPSP, na cidade de São Paulo, e participaram da cerimônia o procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Gianpaolo Smanio, e a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia.

Com a parceria, os promotores do MPSP participarão de treinamentos com especialistas da Unidade de Crimes Digitais (DCU, na sigla em inglês) da Microsoft para uso de ferramentas que podem contribuir em processos de investigação, como informática forense; computação em nuvem e Big Data; e mecanismos de prevenção e mitigação de delitos informáticos. A Microsoft possui um histórico reconhecido de parcerias públicas e privadas no combate ao cibercrime, unindo-se a entidades legais em todo o mundo, ONGs, clientes, fornecedores e pesquisadores de segurança.

Na frente da cooperação, a Microsoft disponibilizará ao MPSP relatórios sobre tendências de novos malwares e vulnerabilidades registrados por seu time global de segurança. A ideia é que o MPSP usufrua deste intercâmbio de conhecimento em investigações conduzidas pela instituição em crimes na internet. Entre outros dados, a Microsoft elabora seus relatórios a partir de informações de segurança de 1 bilhão de dispositivos Windows atualizados mensalmente, que somam 200 bilhões de e-mails rastreados por ameaças virtuais, como phishing e malware, e 300 bilhões de acessos mensais a serviços.

A parceria também prevê o desenvolvimento e o apoio a campanhas educativas para combate ao cibercrime. A proposta é que o MPSP e a Microsoft trabalhem em ações conjuntas que orientem a população do Estado de São Paulo em relação à prevenção de crimes cibernéticos.

“Capacitar ainda mais os membros do Ministério Público é fundamental para que a instituição continue dando as respostas que a sociedade espera”, afirma o Procurador-Geral de Justiça, Gianpaolo Smanio.

“A Microsoft acredita que o combate ao crime cibernético exige uma resposta conjunta de empresas e governos. Nossa parceria com o MPSP representa um importante avanço no trabalho colaborativo que estamos realizando com outras instituições em todo o mundo para protegermos os cidadãos de ameaças virtuais. Acreditamos que iniciativas como essa são fundamentais para que cada vez mais pessoas e organizações possam alavancar o potencial da tecnologia de forma segura e confiável”, afirma Paula Bellizia, presidente da Microsoft Brasil.

A Microsoft tem compromisso com a proteção das informações de seus clientes. Além de defender a criação de uma Convenção Digital de Genebra para estabelecer protocolos, normas e processos internacionais que entram em vigor no caso de agressões e ataques entre nações, a empresa investe cerca de US$ 1 bilhão anualmente em segurança, proteção de dados e gestão de riscos. Hoje, a Microsoft possui mais de 3.500 engenheiros de segurança trabalhando de forma abrangente para lidar com as ameaças de segurança cibernética.

O MPSP

O Ministério Público é o grande defensor dos interesses do conjunto da sociedade brasileira. Tem a obrigação, portanto, de defender o interesse público, conduzindo-se, sempre, com isenção, apartidarismo e profissionalismo.

Com o objetivo de melhor atender a sociedade, vem sendo crescente, por parte do Ministério Público de São Paulo, o trabalho de modernização e inovação tecnológica na instituição. Apenas nos últimos dois anos, foi implementado o Sistema Eletrônico de Informações (SEI), um sistema de gestão de procedimentos e documentos administrativos que tem promovido a sustentabilidade, rapidez, economia, facilita o acesso às informações, aprimora a segurança e a confiabilidade dos dados e diminui a burocracia; dois mil novos computadores foram adquiridos; houve o aumento de velocidade da internet em todas promotorias; foi implementada a comunicação em nuvem na instituição e hoje membros e servidores têm tudo o que precisam para trabalhar de praticamente qualquer lugar, além de muito mais espaço de e-mail e para o armazenamento de arquivos; foi disponibilizado um programa para a conversão de áudio em texto, tecnologia que tem significado diminuição de horas de trabalhos gastas com transcrição de audiências; já está funcionando o teletrabalho; foi criado um módulo digital de Recursos Humanos para atender os promotores e procuradores de Justiça diminuindo o tempo com burocracias; e muito mais.

A Microsoft Brasil

A Microsoft está no Brasil há 28 anos e é uma das 110 subsidiárias da Microsoft Corporation, fundada em 1975. Com a missão de empoderar cada pessoa e cada organização no planeta a conquistar mais por meio da tecnologia, a Microsoft quer promover a transformação digital de seus clientes. Desde 2003 a empresa investiu mais de R$ 560 milhões levando tecnologia gratuitamente para cerca de 2.800 ONGs no Brasil, beneficiando vários projetos sociais.

No alto: Paula Bellizia, presidente da Microsoft Brasil, assina acordo de cooperação com o MPSP ao lado de Gianpaolo Smanio (à direita), procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, e Bruno Miranda, advogado da Microsoft

Foto: Divulgação