Após reunião, CBF demite Dunga do comando da Seleção Brasileira

Além do treinador, confederação também dispensa coordenador de seleções Gilmar Rinaldi e toda a comissão técnica trazida pelo agora ex-comandante Dunga está fora do comando da Seleção Brasileira. Após uma rápida reunião, que começou por volta das 15h, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol Marco Polo del Nero decidiu dispensar toda a comissão técnica da … Leia Mais


Obama e pré-candidatos expressam indignação com massacre em Orlando

Autoridades norte-americanas e de outros países expressaram indignação ante o massacre em uma boate gay em Orlando, na Flórida, que deixou 50 mortos e 53 feridos. O presidente Barack Obama falou classificou o ataque como um “ato de terror e de ódio”. Os três pré-candidatos à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton e Bernie Sanders, … Leia Mais




Janot pede que STF envie denúncia contra Lula a Moro

Rodrigo Janot, o procurador-geral da República, pediu ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para que o pedido de denúncia contra o ex-presidente Lula seja remetido ao juiz federal Sergio Moro, na primeira instância. Conforme a revista Veja, Lula foi denunciado no início de maio por indícios de que … Leia Mais


Dois baianos estão entre os 18 mortos do acidente com ônibus em SP


Pai de uma das vítimas estava no veículo que vinha atrás do ônibus acidentado

Dois baianos estão estre as vítimas fatais doacidente que deixou 18 mortos na cidade de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, na quarta-feira (9). Outras 30 pessoas ficaram feridas.

A vendedora Sonia Pinheiro de Jesus, 43 anos, natural de Jequié, e estudante de Sistema de Informação, Daniel Oliveira Damazio, 25, de Ubatã, morreram após a colisão do veículo com um rochedo.

O pai de Daniel, Zenildo de Oliveira Damázio, estava em um ônibus que vinha atrás do que o filho viajava. “Não vi o ônibus, mas percebi que era um acidente grave. Uma pessoa falou que viu ele com o braço machucado, então fui no hospital de Bertioga. Eu cheguei a ver o corpo, mas não tinha certeza porque não vi a roupa que ele estava”, contou ao portal G1.

Celulares das vítimas de acidente com universitários não param de tocar, diz delegado

As vítimas moravam em São Sebastião, cidade turística do litoral norte de São Paulo, e faziam todos os dias esse trajeto, entre o município e Mogi das Cruzes, cidade da Grande SP. Ao todo, 35 pessoas estavam no veículo.

Vítimas do acidente com o ônibus na Mogi-Bertioga

(Fotos: Reprodução/Facebook)

Confira a lista das vítimas: Ana Carolina da Cruz Veloso, 21 anos, estudante de psicologia; Antônio Carlos da Silva, 37 anos, motorista; Aldo de Sousa Carvalho, 26 anos, estudante de engenharia; Daniel Oliveira Damásio, 25 anos; Daniela Aparecida Mota Dias; Damião Nunes Bras, 33 anos, estudante de engenharia; Gabriela Silva Oliveira dos Santos, 22 anos, estudante de engenharia; Guilherme Mendonça de Oliveira, 19 anos; Janaina Oliveira Pinto, 20 anos; Laís de Oliveira, 21 anos; Maria Maceno de Souza; Rafael Santos do Carmo, 18 anos; Rita de Cássia, 19 anos; Sônia Pinheiro de Jesus, 43 anos.

Acidente
O veículo estava levando estudantes de três unidades de ensino da cidade de Mogi das Cruzes para São Sebastião. Segundo o delegado Fábio Pierry, o veículo estava em alta velocidade. Além dos mortos, há mais de 20 feridos. “O ônibus se perdeu na curva, deu uma frenagem muito grande, ele veio arrastando a vegetação, bateu na pedra e está tombado de cabeça para baixo”, disse ontem os delegados.

correio24horas

 


Ministro da Fazenda diz que Brasil vive a pior crise de sua história


“É uma crise que gerou 11 milhões de desempregados. Então, nós temos que reverter esse processo”, afirmou

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou na quarta-feira (8) que o Brasil enfrenta a crise mais intensa de sua história e que não será uma surpresa se o recuo do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano for o maior desde que começou a contabilidade nacional no país.

Porém, ainda em seu discurso durante evento no Palácio do Planalto com o presidente interino, Michel Temer, e representantes do setor industrial, Meirelles disse que o governo está tomando “medidas concretas”, avaliando as razões da crise para solucioná-la.

“Estamos vivendo a crise mais intensa da história do Brasil. Não será surpresa se a contração deste ano for a mais intensa desde que PIB começou a ser medido no início do século XX, até maior do que nos anos 30. É uma crise que gerou 11 milhões de desempregados. Então, nós temos que reverter esse processo”, afirmou. O ministro destacou que o governo trabalha para ter um diagnóstico correto e preciso da situação da economia,  e do que levou o país a esta situação.

Isso porque, disse ele, diagnósticos equivocados “levaram a erros e causaram consequências graves à economia”. “Os senhores ouvem hoje um novo discurso, um novo tom, uma nova direção. Direção que pretende de fato alterar o curso da economia brasileira, visando de fato a ter crescimento, mais oportunidade, maior renda. São intenções declaradas por todos os governos, mas este governo está tomando medidas concretas, avaliando as razões para a crise e proporcionar um crescimento sustentável para o Brasil nas próximas décadas”, disse Meirelles.

Antes, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse, no mesmo evento, que a solução da crise não passa pelo aumento de impostos. Meirelles disse que a equipe econômica vai “olhar por trás disso” para detectar os efeitos do aumento de impostos na economia e afirmou que o governo está trabalhando em um “elenco muito forte de medidas” para a retomada do crescimento.


Japonês da Federal é preso por corrupção e contrabando em Curitiba


O policial federal Newton Ishii, conhecido como o ‘Japonês da Federal’, foi preso na terça-feira (7), em Curitiba, por corrupção e por facilitar a entrada de produtos contrabandeados do Paraguai no Brasil.

O mandado foi expedido pela Vara de Execução Penal Justiça Federal de Foz do Iguaçu. Ele está detido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.
Ishii responde a três processos na Operação Sucuri, um por improbidade administrativa, um na esfera criminal e outro administrativo.
Ishii se tornou conhecido por aparecer conduzindo presos e investigados na operação Lava Jato. O policial federal chegou a ganhar marchinha de carnaval em homenagem.

Bafafá: Prefeito ofende manifestantes contra derrubada de árvores em praça; Veja vídeo


O prefeito de Poções, Vitória da Conquista, Otto Magalhães (PC do B), ofendeu na manhã desta terça-feira (7) moradores da cidade que protestavam contra a derrubada de árvores em uma praça próxima a sede prefeitura.

De acordo com informações do blog Políticos do Sul da Bahia, a vegetação do local está sendo removida em virtude de um reforma no aparelho.  “Diga que mandei tomar no cu!

Viadinho que vier querer barrar a obra do município eu mando tomar no cu, e enfrento eles de qualquer jeito”, disse em vídeo divulgado pela publicação. Nas imagens, quando questionado sobre o documento de ordem do serviço, o gestor disse que sua ordem era verbal. “É para derrubar mesmo, e os porra que se meterem a besta… Aqui tem homem nessa porra, não tem viado aqui não. Manda eles tomar (tsc) no cu”, esbraveja.

 


‘Temer cortou até o almoço de Dilma’, diz Lula em evento no Rio


Ex-presidente reclamou dos cortes na alimentação e nas viagens em aviões da FAB: ‘Amanhã vamos comer marmitex’

Na primeira manifestação pública após o impeachment, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reclamou dos cortes na alimentação e nas viagens em aviões da FAB, decididos pelo governo do presidente em exercício, Michel Temer, em relação à presidente afastada Dilma Rousseff. Mas reconheceu falhas na gestão da sucessora e disse esperar que ela volte ao cargo. “Não estou dizendo que Dilma não cometeu erros, cometeu. Mas queremos que ela volte para corrigir os erros que cometemos”, disse.

No discurso, Lula fez poucas referências à sucessora. “Temer deu um golpe não na Dilma, mas na decisão do Senado que o colocou como interino. Temer não tinha o direito de fazer o que fez. Ele cortou até o almoço da Dilma. Amanhã vamos comer marmitex”, ironizou o ex-presidente, em ato organizado por centrais sindicais no centro do Rio.

‘Temer cortou até o almoço de Dilma’, diz Lula em evento no Rio
(Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula)

Segundo Lula, as medidas adotadas contra Dilma, como a restrição ao uso de aviões oficiais, “não vão impedir (a presidente afastada) de sair pelo País para denunciar esse governo”. Mais magro e com voz ainda mais rouca que o habitual, Lula avaliou que tem uma “dívida com a sociedade brasileira”, mas evitou se posicionar sobre as eleições de 2018. “Estão me acusando de tudo quanto é nome, divulgando as bobagens que falo. É medo de eu voltar. Ainda é muito cedo para pensar em 2018. Já estou com idade de me aposentar. Mas não pensem que vão destruir aquilo que nós construímos”, afirmou.

Lula criticou a escolha do ministério do governo provisório, acusando a suposta influência do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele ironizou manifestantes pró-impeachment. “Os coxinhas agora estão com vergonha por que foram para a rua bater panela e o resultado não foi um risoto, foi Temer. Os coxinhas sabem que o ministério de Temer é o ministério do (Eduardo) Cunha. Mas sempre haverá nesse País mais gente de cabeça erguida, decente, do que coxinhas”.

Na única referência direta à Lava Jato, o ex-presidente indicou que a operação “submeteu os petroleiros a condições humilhantes”. Lula afirmou que ter sido o presidente que mais investiu na companhia e que a descoberta do pré-sal foi “seu maior orgulho como presidente e como cidadão”.

O petista também afirmou que a “elite nunca aceitou a Petrobras” e teceu diversas críticas às “elites”, discurso comum em seu governo. “A elite brasileira, incompetente para governar este País, achava que tudo iria se resolver se a gente vendesse as empresas. Eu queria provar que o peão seria capaz de pensar politicamente o Estado brasileiro melhor do que toda a elite”, completou.

Lula defendeu ações de seu governo junto ao BNDES e demais bancos públicos. O ato “Se é público, é para todos” defendeu a mobilização da sociedade contra a privatização de empresas e serviços públicos, além de criticar a agenda econômica do governo Temer. A manifestação ocorreu na Fundição Progresso, na Lapa, região central do Rio, com público reduzido apesar do acesso liberado. Não houve estimativa de quantas pessoas estiveram no evento.