Após nova negociação, bancários decidem manter greve

Após reunião da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) nesta terça-feira (27), os bancários decidiram manter a greve. Uma nova rodada de negociações foi marcada para esta quarta-feira (28). Em três semanas de greve, de acordo o último balanço da Contraf-CUT, 14 mil agências estão fechadas.


Salvador ocupa 16ª posição em ranking de bem-estar urbano

Levantamento inédito do Observatório das Metrópoles, coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revela que o Índice de Bem-Estar Urbano (Ibeu) da cidade de São Paulo é pior do que o indicador de capitais como Goiânia (GO), Aracaju (SE) e Palmas (TO). A pesquisa mediu o bem-estar nos 5.565 municípios do país. Entre … Leia Mais


Planalto Chama Moraes para explicar antecipação da Lavo Jato

O presidente Michel Temer chamou o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para que ele compareça ao Planalto e explique suas declarações sobre a Operação Lava Jato um dia antes da fase que culminou com a prisão do ex-ministro do PT, Antonio Palocci. Além de Moraes, Temer também chamará outros ministros que têm dado declarações … Leia Mais


Bancários voltam negociar após 21 dias de greve

A Fenaban (braço sindical da Febraban, associação que representa os bancos) marcou para esta terça-feira (27) uma nova rodada de negociação salarial com os bancários, em uma tentativa de por fim à greve da categoria. A última conversa ocorreu no dia 15 de setembro. Nesta segunda, a paralisação dos bancários chegou ao 21º dia, retomando … Leia Mais


Sem repasse, Caixa não vai poder usar FGTS no Minha Casa, Minha Vida

O Ministério das Cidades esclareceu que desautorizou a Caixa Econômica Federal a usar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no financiamento do Programa Minha Casa, Minha Vida, caso não haja repasse da União para a contratação de novos empreendimentos. Em nota, o Ministério das Cidades esclareceu que a instrução normativa, publicada … Leia Mais


Ex-ministro Antonio Palocci é preso em nova fase da Operação Lava Jato


O ex-ministro Antonio Palocci foi preso durante a 35ª da Operação Lava Jato. A PF (Polícia Federal) confirmou a realização de uma nova fase da Operação Lava Jato nesta segunda-feira (26). O nome desta nova etapa é “Omertà”. Palocci é alvo porque teria pedido, através do doleiro Alberto Youssef, R$ 2 milhões da cota de propinas do PP para a campanha presidencial da presidente Dilma Rousseff em 2010.

A denúncia foi feita pelo também delator, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. O político foi ministro da Fazenda do governo Lula e da Casa Civil do governo Dilma. Há indícios de que Palocci teria atuado como intermediário entre grupo político ligado à empreiteira Odebrecht, de acordo com a PF. O ex-ministro teria propiciado vantagens econômicas ao grupo empresarial nas mais diversas áreas de contratação com o Poder Público, “tendo sido ele próprio e personagens de seu grupo político beneficiados com vultosos valores ilícitos”, segundo a PF.

Dentre as negociações identificadas, diz a PF, “foi possível delinear as tratativas entre o Grupo Odebrecht e o ex-ministro para a tentativa de aprovação do projeto de lei de conversão da MP 460/2009 (que resultaria em imensos benefícios fiscais), aumento da linha de crédito junto ao BNDES para país africano –com a qual a empresa tinha relações comerciais–, além de interferência no procedimento licitatório da Petrobras para aquisição de 21 navios sonda para exploração da camada pré sal”.

Outro núcleo da investigação apura pagamentos efetuados pelo chamado “setor de operações estruturadas” do Grupo Odebrecht para diversos beneficiários. Eles são alvos de medidas de busca e condução coercitiva. “São apuradas as práticas, dentre outros crimes, de corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro”, informa a PF.

São cumpridos 45 mandados judiciais nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e no Distrito Federal. São 27 de busca e apreensão, três de prisão temporária, e 15 de condução coercitiva.

*Folha


Número de aposentadoria aumenta 16,5% no ano


O impacto das greves do INSS e a insegurança sobre o que virá com a reforma da Previdência levaram a um aumento nas concessões de aposentadoria. Segundo dados da Previdência Social, o número de benefícios no período de janeiro a agosto foi de 3,539 milhões – 16,5% superior ao de igual período do ano passado, quando o número chegou a 3,035 milhões. Somente em agosto, o número aumentou 87% ante o mesmo mês de 2015.

Para especialistas, esse número representa, em parte, a pressa de quem teme trabalhar mais. Também entra nessa conta os pedidos do ano passado que ficaram atrasados por causa das greve dos peritos, entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016, e dos servidores administrativos do INSS, de julho a setembro de 2015.

O número ainda conta com corrida após a instituição da fórmula 85/95, segundo a qual a mulher poderia ter aposentadoria integral quando a soma do tempo de contribuição e da idade fosse 85 e o homem, 95.

Idade

Segundo Jose Roberto Savoia, professor da Saint Paul Escola de Negócios e ex-secretário de Previdência Complementar, esse fenômeno é normal apesar de o governo ainda não ter batido o martelo sobre o que será proposto na reforma. “Aconteceu com a reforma em 1997 e em 2002. É um reflexo da ansiedade das pessoas em não saber como será”, explica.

Savoia é a favor da idade mínima de 65 anos, pois reduziria o rombo na Previdência, estimado em R$ 148,7 bilhões em 2016. Apesar de concordar com a reforma, o professor aponta que mexer no cálculo do benefício e aumentar o tempo de contribuição é equivalente a propor jornada de trabalho de 12 horas e defende que é preciso uma análise mais detalhada. “Em geral, é muito justo dar o benefício integral para quem já atingiu 35 anos de contribuição. O ideal é valorizar quem já ficou mais tempo”, afirma.

A necessidade de atualização também é compartilhada pela União Geral dos Trabalhadores, que entende que o aumento da longevidade pede o aprimoramento do sistema previdenciário. Mas Ricardo Patah, presidente da entidade, ressalta que a proposta de idade mínima de 65 anos para se aposentar acaba prejudicando as pessoas de classes baixas que costumam trabalhar desde a adolescência.

“A média de idade que o brasileiro começa a trabalhar é 16 anos. Para ter essas medidas tem de ter acoplado um conjunto de melhorias para o futuro e mais diálogo.” O tempo de contribuição para a concessão do benefício integral também pode ser alterado com a mudança da idade mínima, exigindo mais anos de trabalho, diz Sara Quental, sócia do escritório Crivelli Advogados e diretora do Instituto dos Advogados Previdenciários (Iape). “Será que quem trabalha com serviço braçal chegará aos 65 anos com condições de continuar e o mercado de trabalho estará preparado para manter esse trabalhador?”

O grande debate é que nunca haverá um bom momento para mudar a Previdência, opina Valdirene Franhani, do Braga&Moreno Advogados. “Fato é que a nova regra tem de ser melhor que a anterior, mas vai ter de sacrificar uma parte em detrimento de outra. É uma questão matemática”, afirma. Com informações do Estadão Conteúdo.


Rui Costa inaugura HGE 2 com 161 leitos


A partir desta terça-feira (27), a segunda unidade do Hospital Geral da Bahia começa a funcionar. Localizado no bairro de Brotas, o HGE 2 fica ao lado do HGE1.

A estrutura do HGE 2 conta com uma sala para transplantes e Centro de Queimados, que foi transferido do HGE 1 para o novo prédio, como ressaltou o diretor médico André Luciano, na manhã desta segunda-feira (26), quando a unidade foi inaugurada com a presença do governador Rui Costa, do secretário de Saúde, Fábio Vilas Boas, e deputados federais.

A expectativa é que com o HGE 2 diminua o tempo de espera no atendimento de vítimas de traumas, como acidentes de carro, perfurocortantes e emergências cirúrgicas. Em coletiva de imprensa, Rui Costa afirmou que os equipamentos do HGE 2 são de ponta. “São equipamentos de última geração, da mesma marca dos melhores hospitais do Brasil, inclusive particulares”, ressaltou, assinalando que a ala de queimados é uma das mais modernas.

Geração de emprego – Rui Costa também assinalou que como HGE 2 foram gerados 1.100 empregos. “Se nós tivéssemos instalado uma fábrica geraríamos entre 200, 300 ou 500 empregos. Com o HGE 2 são 1.100 empregos para pais e mães de família”, contabilizou.

O HGE 2 tem 161 novos leitos, sendo 52 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) – oito são para crianças e quatro para queimados. Cerca de 200 médicos vão trabalhar no local, além de outros profissionais de saúde. A unidade terá 11 salas de cirurgia. O investimento para a construção da unidade foi de R$ 86 milhões.

O hospital pode atender casos de cirurgia geral, traumato-ortopedia, queimados, cirurgia oftalmológica (proveniente de trauma) e cirurgia plástica reparador. Informações do Bocão News.


Midia Local: A quem interessaria um racha, qual a influência dos veículos na decisão do eleitor???


Os veículos de comunicação, cada um a sua linha editorial, com importante participação no dia-a-dia das comunidades da RMS. O Editorial tende a ser mais próximo de determinada corrente política da situação, ou oposição. Protegidos pela liberdade de imprensa e de expressão, os profissionais e veículos dão a sua contribuição para a disseminação dos diversos pensamentos políticos e suas, diversas, variáveis…

Uma nova ferramenta de comunicação, whatsapp, incluiu e deu voz para que todos opinem, comentem, formulem e, sintam-se inclusos no grupo dos pensadores, articuladores, formadores de opinião e participes dos mais variados debates, com o risco de se disseminar cenas de violência, calúnias, e a falta de um controle da veracidade, procedência das informações compartilhadas, trazendo o risco de detonar-se carreiras políticas e reputações…

Simões Filho está diretamente envolvida no “frenesi” eleitoral, e com um movimento, que deve ser encerrado, profissionais da mídia, comentam e expõe o trabalho, de outros veículos, através de comentários de extrema infelicidade. É preciso cuidado, pois um racha na mídia, não beneficiará os veículos, ao contrário, só nos fragilizará diante dos que assumirão o poder, quer seja o atual grupo da situação, ou a oposição.

Segundo especialistas esses são os principais itens que podem influenciar a decisão dos eleitores:

Proximidade ideológica

O eleitor tende a escolher o candidato que apresenta um discurso ou um plano de governo coerente com sua “visão de mundo”.

Pragmatismo

Outro fator de influência é a capacidade de articulação política do candidato e se ele apresenta propostas concretas para problemas como saúde, segurança e educação.

Opinião de pessoas públicas

Quando alguma autoridade ou pessoa com reputação pública indica algum candidato, há uma tendência de legitimar determinada candidatura, influenciando na decisão do eleitor.

Avaliação do governo vigente

Se a gestão municipal for bem avaliada, o eleitor, em geral, não possui perspectiva de mudança do prefeito. Em caso de má avaliação da gestão, a tendência é que a oposição seja beneficiada. Essas situações de aprovação ou rejeição interferem na escolha.

Reputação do candidato

As características pessoais que o político consegue transmitir influem no voto. Uma imagem de honestidade e responsabilidade pesa na escolha.

Meios de comunicação

A mídia influencia indiretamente no voto. Por veicularem informações sobre as eleições e possíveis escândalos, os meios de comunicação auxiliam o eleitor a tomar consciência da corrida eleitoral.

Voto de protesto

Votos definidos com base no carisma dos candidatos são aleatórios por serem subjetivos e, por isso, com pouca consistência política. Em geral, as pessoas simpatizam com a aparência ou gostos do candidato. Já no caso do voto de protesto, o eleitor escolhe o candidato pelo discurso “antipolítico”, como ocorreu na eleição de Tiririca (PR) como deputado federal por São Paulo, em 2010.

Propaganda eleitoral na tevê e no rádio

A influência do horário eleitoral gratuito na tevê e no rádio tem reduzido, mas ainda apresenta as candidaturas para a população, o que, de certa forma, tende a interferir na votação.

Resultado das pesquisas eleitorais

Alguns grupos de eleitores levam em consideração os resultados das pesquisas, que apresentam as intenções de voto em cada candidato e os índices de aprovação e rejeição.

Atrapalha ou influencia pouco na escolha do eleitor

O percurso histórico do político

A trajetória na vida política não importa. Especialistas avaliam que o eleitor não é influenciado pela atuação política do candidato antes do pleito em que ele concorre. O eleitor brasileiro tende a direcionar a atenção aos acontecimentos recentes.

Vida do candidato

Antes de se tornar candidato, a vida pessoal e/ou profissional do político costuma não fazer diferença na hora da escolha.

Discurso radical de mudança

De acordo com especialistas, o eleitor brasileiro acerca-se de um padrão de político que, normalmente, relaciona-se com formação universitária e classe social. Nesses casos, discursos de mudança e radicalismo ideológico afastam-se do padrão simbólico de político consolidado no Brasil.

Julgamento do mensalão

O eleitor brasileiro tende a associar o caso do mensalão com o âmbito federal e não vê ligação com aspectos municipais. Assim, o julgamento deverá ter pouco impacto nas eleições municipais — mas pode gerar mudanças no comportamento dos candidatos.

Fontes: Cientistas políticos Adriano Codato (UFPR), Carlos Strapazzon (Grupo Dom Bosco), Doacir Quadros (Uninter), Leonardo Barreto (UnB) e Marco Rossi (UEL)

Fonte: Imprensabahia


Simões Filho: Multidão sai às ruas para saudar os irmãos Alencar e confirmar vitória de Jomar Paraki


A coligação “A Força do Trabalho”, encabeçada pelo candidato Jomar Paraki (PSD), desfilou na principal avenida do bairro de Estrada de Candeias no início da noite deste sábado (24). Com a concentração no final da localidade até à Praça da Bíblia, uma multidão saiu às ruas e de acordo com organizadores, mais de 12 mil pessoas marcaram presença no evento que reuniu personalidades políticas como o Senador da República Otto Alencar (PSD-BA), o prefeito Eduardo Alencar (PSD), o ex-prefeito Edson Almeida (PT), o atual vice-prefeito Neco Almeida, o Presidente do Desenbahia Otto Alencar Filho e diversos candidatos ao Legislativo Municipal. Também com a presença do jovem candidato ao cargo de vice-prefeito, Denyson Santana (PROS), a oportunidade registrou positiva adesão da população, militantes e simpatizantes da chapa governista.

14440951_1766167926972697_8280274360919482499_n

Junto com Denyson Santana e demais forças políticas presentes, o candidato a prefeito Jomar Paraki foi recebido nos braços do povo e ao conduzir em apenas 10 dias a campanha, avaliou o cumprimento da agenda como uma “reunião de humildade, esperança, adesão popular e certeza de que seu grupo político possui as condições para lutar por melhorias em diversos setores, além de defender os direitos dos trabalhadores em parceria com o Senador Otto Alencar que é contra ao projeto do presidente Michel Temer (PMDB), que quer mudar a legislação trabalhista”.

14390686_1766169033639253_6057581110248321485_n

A multidão agitou a grande caminhada e a plenos pulmões ecoava o jingle de campanha: “Jomar é trabalho, é desenvolvimento, é emprego, é família, é amigo, é respeito, é o verdadeiro novo”.

“Com apenas 10 dias de campanha, o vento sopra ao nosso favor e tenho certeza da vitória”, afirmou Jomar Paraki na Praça da Bíblia e aproveitou para fazer uma avaliação na escolha do candidato à vice. “Tenho certeza que o jovem Denyson Santana vai cuidar da juventude de nossa cidade”, acrescentou.

Ao discursar para a multidão, o cidadão simõesfilhense, Jomar Paraki contou que nasceu em um município pobre, estudou em um colégio de padre e devido à situação da família, muitas das vezes não tinha a terceira refeição do dia. Com muita coragem veio à capital baiana, onde foi discriminado e com muito esforço e empenho aos estudos, conseguiu ser aprovado no vestibular da UFBA. Logo após, trabalhou como supervisor de vendas na empresa Coca Cola e promovido à diretoria, o empresário trouxe a empresa para o município.

14440791_1766167883639368_6272802979763634282_n

“Trouxe a fábrica para Simões Filho para dar emprego ao nosso povo”, disse. Com um complexo que abriga cerca de 170 empresas; gerando mais de mil empregos diretos e indiretos, para a equipe de reportagem, Jomar disse que os “avanços em todos os setores” serão prioritários e ao lado de Denyson Santana vai “trabalhar com uma gestão participativa e que prioriza a busca da geração de emprego e renda, desenvolvimento social, educação, saúde e acima de tudo segurança”.

O candidato a vice, Denyson Santana em seu discurso, disse que a “humildade e o pé no chão, fará com que a coligação vença as eleições no dia 02 de outubro”. “Quero ser um vice para está ao lado de Jomar para trabalharmos pelo povo de Simões Filho”, completou.

14390827_1766167900306033_8985394735222823485_n

O ex-prefeito Edson Almeida considerou a caminhada como “extraordinária”, ao revelar “nunca ter visto tanta gente reunida”. “Simões Filho não precisa trazer prefeito de fora para dizer que temos capacidade de trabalhar”, alfinetou sem nominar o gestor público que participou da caminhada do grupo da oposição.

Surpreso com a expressiva adesão popular no evento político, o presidente do Desenbahia, Otto Alencar Filho, disse que irá fortalecer a parceria em prol do desenvolvimento da cidade. “Com certeza Jomar Paraki será um grande prefeito e não vai faltar recursos para transformar Simões Filho”, garantiu.

1000638_1766168040306019_5740406744286113644_n

Em entrevista à equipe de reportagem, o candidato a prefeito Jomar Paraki revelou que caso a população garante a oportunidade de conduzir o destino de Simões Filho, irá trabalhar e fazer o melhor pela cidade.

“Simões Filho tem um grande potencial industrial, comercial e invejável capacidade de crescimento que deve ser aproveitada. Vamos criar políticas para atrair e garantir a instalação de indústrias na cidade, que vão gerar novas vagas de emprego. Vamos buscar investimentos para ampliar o desenvolvimento econômico e social, além de maximizar o suporte com a segurança pública, enfim, vamos criar um ambiente favorável porque sabemos do potencial do município, inclusive, nos setores do turismo e gastronômico”, concluiu.